10/08/2022

Seguro de vida se recupera e se reinventa na pandemia, atingindo dois dígitos

Com o início da pandemia do coronavírus, o mercado de seguros sofreu um grande baque, vendo prejuízos bilionários, até mais do que outros setores da economia. Porém, os números vêm crescendo, principalmente no segmento dos seguros de vida – e nesse texto vamos falar mais sobre essa recuperação. 

De acordo com o diretor da Susep (Superintendência de Seguros Privados), Augusto Coelho Cardoso, “a pandemia revolucionou o mercado de seguros como um todo no Brasil”. Antes de 2020, se pensava que as seguradoras jamais cobririam pandemias, já que esses eventos são imprevisíveis e não possuem um risco quantificável.

Victor Bernardes, diretor de vida e previdência da SulAmérica, explica: “O caminho da seguradora é direto: se não tem como precificar, não tem como oferecer cobertura. E a pandemia se enquadra nisso. Porém, não podíamos fugir do propósito social do serviço que oferecemos, mesmo sabendo que o prejuízo poderia ser gigante”.

Assim, a decisão foi oferecer a cobertura de Covid-19 gratuitamente, pois “no longo prazo, esta ação poderia alavancar o mercado”, conta Bernardes. Com isso, entre abril de 2020 e março de 2022 foram registrados 175.307 sinistros e o pagamento de R$6,5 bilhões em indenizações derivadas da Covid-19, segundo números da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida.

E, mesmo que muitas seguradoras tenham tido prejuízos milionários ao oferecer cobertura para a pandemia, o setor estava ciente do potencial que esse cenário apresentava para vender ainda mais seguros de vida. Assim, as contratações foram impulsionadas e “o mercado de seguro de vida está em franca expansão em decorrência, justamente, da Covid-19”, afirma o diretor da Susep.

Crescimento do mercado em 2021

Em 2021, a pandemia e o isolamento enfraqueceram alguns setores e fortaleceram outros. Além das seguradoras, outros negócios viram uma melhora no número de clientes, como é o caso das plataformas de streaming e dos casinos com rodadas grátis, por exemplo, que oferecem uma alternativa de diversão remota para quem precisa ficar em casa. Nesses sites de jogatina, é possível se divertir gratuitamente antes de arriscar o próprio dinheiro, e assim conhecer o sistema e os jogos de antemão. 

Já o mercado de seguros de vida registrou o seu maior volume de buscas do ano em abril de 2021, uma alta de 150% em relação a abril de 2020. Em setembro de 2021, a busca foi 60% maior do que a do mesmo mês de 2020. Quanto aos contratos fechados, a Susep aponta que o valor que os segurados pagam às seguradoras chegou aos R$50,8 bilhões no acumulado de 2021. Este número impressiona por ser 12,4% maior em relação ao acúmulo registrado no ano anterior.O destaque ficou com o produto individual de vida, que contabilizou R$23,5 bilhões, um aumento nominal de 17,4% no mesmo período. Entre 2018 e 2019, a alta foi de 19,8%, desencadeada por um efeito estatístico que ocorre normalmente com a reclassificação de um produto da empresa. A Susep explicou o fenômeno em uma nota: “O produto, que antes era contabilizado como Dotal Misto, passou a ser classificado como Vida Individual após ação de supervisão que identificou a irregularidade. Essa alteração inflou o crescimento da linha Vida em 2019. Retirando-se o efeito dessa reclassificação contábil, o crescimento entre 2018 e 2019 foi de cerca de 7,7%.”