10/08/2022

Crescimento de acidentes no trabalho ressalta importância do seguro

O Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho apontou que, somente em 2021, foram comunicados 571,8 mil acidentes e 2.487 óbitos associados ao trabalho
acidentes

EXCLUSIVO – De acordo com o Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, somente no ano passado foram comunicados 571,8 mil acidentes e 2.487 óbitos associados ao trabalho aqui no Brasil, um crescimento de 30% em relação a 2020. Entre as partes do corpo mais atingidas, estão dedos, com 110.001 ocorrências (24% do total de acidentes) e mãos (exceto punhos ou dedos), com 31.246 casos (7%).

Segundo a entidade, cansaço, falta de treinamento sobre o uso correto das máquinas e ausência de equipamentos de proteção individual estão entre as principais causas de acidentes. Estimativas da Observatório apontam que acidentes de trabalho causam a perca de aproximadamente 4% do Produto Interno Bruto global a cada ano. Aqui no Brasil, esse percentual corresponde a R$ 350 bilhões anuais, se considerado o PIB brasileiro de 2021, que foi de R$ 8,7 trilhões.

Rodrigo Borges

Dados como estes demonstram a importância dos trabalhadores estarem protegidos, e o seguro para acidentes pode ser um bom aliado caso algum imprevisto aconteça. O produto cobre indenização a funcionários em caso de invalidez, reembolso de despesas médicas e diárias de internação. “Além de assegurar o amparo ao trabalhador e seus dependentes em caso de acidentes, garantindo a saúde financeira da família, os seguros são um importante fator de retenção de talentos, principalmente em profissões com características de execução mais delicadas. Eles também têm papel significativo ao resguardar juridicamente as empresas contra possíveis processos trabalhistas”, afirma Rodrigo Borges, superintendente Comercial e de Produtos Vida, Previdência e Ramos Elementares da Seguros Unimed.

A seguradora registrou um impacto positivo na contração de produtos como seguro de vida acrescido do Serit (Seguro de Renda por Incapacidade Temporária), que garante renda ao trabalhador em caso de acidentes que o impeçam de exercer sua atividade profissional. Para Borges, um dos motivos para esse crescimento na aquisição de apólices foi o aumento do número de CNPJs no Brasil em 2021. O Ministério da Economia registrou a abertura de 4 milhões de novas empresas no país no ano passado, apontando uma evolução de 20% em relação a 2020. “Se por um lado esse quadro demonstra uma forma de aquecimento da economia, por outro, profissionais que deixaram de ter vínculos empregatícios tradicionais perderam benefícios como Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), planos de saúde ou afastamento remunerado em caso de doenças. Uma das formas de garantir segurança nesses casos é contratando um seguro”, diz.

Na área de acidentes pessoais, outra seguradora que oferece diversas proteções é a AIG, que hoje conta com mais de 40 coberturas modulares que podem ser enquadradas nos mais diversos segmentos da economia, atendendo as necessidades dos clientes. “O Seguro de Acidentes Pessoais é um diferencial competitivo que uma empresa pode oferecer aos seus colaboradores, clientes e parceiros. Para o gestor, é uma tranquilidade ter a segurança de que, se acontecer algo no seu ambiente de trabalho, ele conseguirá prestar esse auxílio”, afirma Flavia Mamede, líder de Seguros de Acidentes Pessoais da companhia.

Apesar de sempre existir o risco de um acidente acontecer, a executiva acredita que a melhor forma de evitá-lo é através do investimento das empresas em treinamento e capacitação. Flavia ressalta que as seguradoras e corretoras são fundamentais para auxiliar as organizações nesse processo. “É extremamente necessário atuar na prevenção e seguir todas as exigências e recomendações de segurança, seguindo os protocolos de cada operação. Como seguradora, queremos ser aliados das companhias no seu planejamento financeiro e proteger os colaboradores para que não fiquem desamparados em momentos difíceis”.

Nicole Fraga
Revista Apólice