20/05/2022

Ciclone extratropical: Seguro paramétrico pode ajudar produtor a diminuir prejuízos

A apólice funciona baseada na definição de parâmetros para a ocorrência de eventos naturais, podendo ser acionada quando o índice estipulado é alcançado ou excedido
seguro

EXCLUSIVO – A formação de um ciclone extratropical, que está provocando chuvas fortes na região Sul do Brasil, preocupa meteorologistas. Segundo os especialistas, o fenômeno está atingindo, principalmente, os estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, podendo ocasionar alagamentos, deslizamentos, quebra de barreiras em estradas e problemas causados pelo vento.

O ciclone, que se formou entre a Argentina e o Paraguai, produziu a circulação de ventos em diversos níveis na atmosfera, o que irá fazer com que a temperatura caia no país todo. De acordo com o serviço de temperatura Climatempo, São Paulo deverá ter dias com menos de 10°C, com as mínimas durante girando em torno dos 7°C a 9°C entre os dias 16 e 22. Enquanto na região Sul, há a previsão até de neve para alguns estados. Essa mudança climática já preocupa produtores, pois as lavouras estão sendo prejudicadas pela neve e a chuva.

Em situações como esta, o seguro paramétrico pode ser um grande aliado para minimizar os prejuízos. A apólice funciona baseada na definição de parâmetros para a ocorrência de eventos naturais. A cobertura pode ser acionada quando o índice paramétrico estipulado é alcançado ou excedido, dentro de uma área pré-estabelecida. Este seguro cobre desde incêndio e variações de temperatura, até parâmetros mais complexos, como precipitação de chuva, irradiação solar, ventos, produtividade regional agrícola, índice agrometeorológico, vazão de rios e até variação de preços. 

“Com a ocorrência deste evento específico, muitos produtores de soja do Rio Grande do Sul tiveram suas colheitas atrasadas em função do volume de chuvas. Se eles tivessem um seguro paramétrico contratado, considerando as oscilações de precipitação como cobertura, a indenização seria calculada por meio da verificação dos índices coletados e os índices segurados pelo produtor”, afirma Antônio Jorge, head de Resseguros da Aon Brasil.

Segundo o executivo, a comercialização desse seguro para a agropecuária e riscos patrimoniais ainda é pouco significativa no Brasil, mas possui um amplo potencial de crescimento. Ele acredita que os parâmetros climáticos podem ser utilizados para diversas soluções e encontrar aderência em diferentes modelos. “A cobertura mais contratada hoje é a variação de precipitação para grãos, porém há grande oportunidade de utilização de outras coberturas para outros cultivos, bem como outras atividades, como o setor de geração de energia, que pode ser afetado por secas prolongadas, diminuindo a produtividade de usinas hidroelétricas. A Aon vem atuando no mercado para desenvolver e aprimorar soluções para seus clientes contra esses riscos de difícil mitigação no mercado tradicional”, diz Antônio.

Parcerias podem impulsionar produto

Em abril do ano passado, a Newe assinou um acordo com INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) para a construção de índice paramétrico. Batizado de SIM (Serviço de Informação Meteorológica), o sistema está integrado a outras bases de dados do governo e de companhias privadas, sendo capaz de prever potenciais quebras de safra e analisar o desempenho pregresso de lavouras com histórico de até cinco anos. Apoiando o seguro paramétrico, as informações dessa ferramenta servem de base para a estruturação e precificação das apólices e serão também os dados oficiais para a regulação destes índices.

“Esse acordo de cooperação técnica já nos deu frutos. A duração da parceria é de dois anos, período em que a seguradora terá acesso a todos os dados das estações automáticas do Instituto. Nosso principal objetivo é universalizar esse seguro para todos os tipos de produtores, independente do tamanho da lavoura”, diz Rodrigo Motroni, vice-presidente da Newe.

Montroni ainda ressalta a importância dos corretores realizarem treinamentos sobre o produto para se qualificarem, podendo, assim, expandir a carteira de segurados ou oferecendo o seguro paramétrico para aqueles que já são seus clientes. “A nossa área Comercial e Técnica tem feito muitos treinamentos. Convidamos nossos parceiros a se reunirem, de maneira online, com os especialistas da companhia, pois assim terão um conhecimento mais técnico e entenderão de maneira prática como funciona o seguro paramétrico”.

Nicole Fraga
Revista Apólice