05/07/2022

FenaSaúde dá dicas para o bom uso do plano de saúde

Entidade chama atenção para o papel do consumidor no uso do sistema de saúde, que vai muito além da simples contratação de um produto
saúde

Hoje, 15 de março, é comemorado o Dia do Consumidor, uma data celebrada desde 1962 com o objetivo de enfatizar a importância dos direitos dos consumidores. Embora seja mais comum a data ser celebrada pelo varejo, que coloca à disposição do cliente uma série de promoções, o Dia do Consumidor surgiu com o intuito de provocar reflexões mais profundas sobre os princípios das relações de consumo, como informação, segurança, liberdade de escolha e atendimento. E quando se trata de plano de saúde, essas são premissas fundamentais, visto que a saúde das pessoas e suas vidas estão no centro da relação entre empresas e clientes.

Nesta data, a FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar) chama atenção para o papel do consumidor no uso do sistema de saúde, que vai muito além da simples contratação de um produto. Muito mais que tratar doenças, o objetivo da saúde suplementar é promover a saúde e melhor qualidade de vida dos seus consumidores, de forma acessível.

Confira abaixo algumas dicas da entidade sobre como usar bem o plano de saúde e algumas das vantagens que fazem dele um dos produtos mais desejados dos brasileiros:

Saúde é direito do consumidor

Os planos de saúde garantem a cobertura de mais de 3 mil itens, que incluem exames, terapias, internações clínicas e cirúrgicas, medicamentos orais para câncer e outros procedimentos. É direito do consumidor ter acesso a esse Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde definido pela ANS, conforme segmentação escolhida, e também às coberturas adicionais pactuadas em contrato observando a regulação do setor.

Combate ao desperdício

O consumidor é um importante aliado no combate ao desperdício no sistema de saúde. Qualquer suspeita de prática inadequada deve ser informada à operadora. Para se ter uma ideia, impactos anuais dos planos de saúde com fraudes e desperdícios ultrapassam R$28 bilhões.

Atendimento de urgência e emergência

O atendimento de urgência e emergência está garantido pelos planos de saúde e a ida ao pronto-socorro deve ser reservada para esses casos. São consideradas urgentes as situações imprevistas que requerem atendimento imediato e que ainda não representam risco potencial à vida, como acidentes, pressão alta, queimaduras, vômitos, entre outros. Já os casos de emergência implicam em risco imediato à vida ou em lesões irreparáveis, tais como o infarto, AVC, dificuldade respiratória e perda de memória.

Atendimento eletivo

Para os atendimentos que não se enquadram nos casos de urgência e emergência, o consumidor conta com serviços ambulatoriais ou de teleatendimento contemplados na cobertura do plano. Ao evitar a procura por serviços de emergência sem necessidade, o paciente diminui sua a exposição a doenças, colaborando com o atendimento mais ágil daqueles que precisam de atendimento imediato.

Prevenção

O acompanhamento da saúde é essencial para identificar doenças crônicas e evitar seu agravamento. Não deixe de agendar anualmente consultas eletivas com seu médico de confiança.

Resultados de exames

Se o médico pediu exames, faça-os e não esqueça de encaminhá-los e agendar a consulta de retorno para avaliação.

Canais diretos

Lembre-se! Todas as operadoras de saúde disponibilizam aos seus clientes várias formas de contato para orientações, consultas à rede credenciada e esclarecimento de dúvidas, desde centrais de teleatendimento até equipes de ouvidoria.

N.F.
Revista Apólice