15/08/2022

Mercado de bicicletas termina 2021 em alta e abre espaço para seguros

Despontando como uma alternativa prática, seja para fugir do trânsito caótico das cidades, seja para a prática de exercícios físicos ou atividades de lazer, a utilização da bike conquista cada vez mais adeptos pelo Brasil. Durante o ano de 2021 houve um crescimento exponencial desse mercado no país. Por outro lado, o número de roubos e furtos de bicicletas também aumentaram, fazendo cada vez mais necessária a demanda por seguros desse tipo.

Segundo a Abraciclo (representante brasileira das fabricantes de bicicletas e motocicletas do Polo de Manaus), houve um crescimento de 39,6% na montagem do veículo em setembro de 2021, quando comparado ao mês anterior do mesmo ano. Uma pesquisa anual realizada pelo Comércio Varejista de Bicicleta da Aliança Bike aponta aumento de 34% na venda de bikes no primeiro semestre de 2021 em relação ao mesmo período em 2020. Serviços mecânicos e de reparação representam quase 30% do valor de faturamento de lojas do setor. Dados que demonstram o avanço do mercado apesar da crise sanitária mundial.

Com o aumento do número de ciclistas nas cidades, cresceu também a busca por serviços de aluguel de bikes. A Tembici, empresa que opera no ramo nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, registrou um crescimento de 9% no primeiro semestre de 2021.

Por outro lado, a utilização da bicicleta fez o número de roubos e furtos aumentar. Somente na cidade de São Paulo, nas maiores cidades de Campinas e Piracicaba, esse tipo de crime cresceu 74,5%. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública foram registradas 288 ocorrências pela Polícia Civil entre janeiro e maio do ano passado. O cenário adverso elevou as vendas de itens como travas e cadeados entre os ciclistas.

Outra forma de proteção encontrada são as seguradoras. O crescimento de seguros de bicicletas foi de 35% em meio a pandemia. A mudança na mobilidade urbana fez ciclistas e seguradoras apostarem em um caminho de resguardo com um patrimônio que tende a ficar tão valioso quanto outros tipos de veículos. CEO e fundador da Korsa, empresa de seguros, James Theodoro afirma que “o mercado de seguros está atento às oportunidades de negócios, e certamente as bicicletas são ótimas alternativas. Várias seguradoras estão operando na carteira. Os modelos de bike são cada vez mais sofisticados e, com isso, mais caros, levando o consumidor a contratar seguro”, comentou o especialista.

N.F.
Revista Apólice