27/06/2022

Com turismo brasileiro aquecido, seguro viagem torna-se fundamental

sulamérica

EXCLUSIVO – Com o avanço da vacinação no Brasil, onde mais de 60% da população está totalmente vacinada, cada vez mais pessoas tem demonstrado interesse em viajar, principalmente para destinos nacionais. Um levantamento feito pelo Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio SP) aponta que 2021 irá registrar um crescimento de 16% no setor de turismo e uma renda de aproximadamente R$ 130 bilhões. 

Muita gente acha que contratar um seguro viagem é desnecessário ou que ao é valido para viagens internacionais, mas o produto é um aliado e tanto em situações de emergência em território brasileiro. Além das coberturas e assistências tradicionais para despesas médicas, hospitalares e odontológicas, ele inclui traslado médico, retorno sanitário, perda de bagagem e cancelamento prévio de viagem. 

“Sabemos que imprevistos podem acontecer e tentamos nos prevenir deles da melhor maneira possível. Nós buscamos evitá-los durante o dia a dia, então, em uma viagem, que é um momento de alegria e descobertas, queremos ainda mais ficar livres de qualquer problema que possa atrapalhar ou gerar uma dor de cabeça, como um atraso de voo, mala extraviada ou doença contraída durante o passeio, por exemplo. Sabemos que esses casos inesperados não acontecem apenas em viagens internacionais”, afirma Bianca Agnoletto, Product Owner da Ciclic.

A zona de praias no Nordeste é a mais buscada. Natal (RN), Salvador (BA), Fortaleza (CE) e Maceió (AL) são os destinos preferidos dos turistas, segundo o Boletim Regional do Banco Central. No Sul, o destino mais procurado é a Serra Gaúcha, mais especificamente a cidade de Gramado (RS). Para o carnaval de 2022, Salvador é o mais escolhido. Também foram destacados outros destinos que mostram uma alta na procura nos últimos meses: Bonito (MS), Jalapão (TO) e São Luís (MA).

De acordo com Valéria Pereira, Gerente de Produtos da Affinity Seguro Viagem, a diferença entre os seguros nacionais e internacionais é que os planos nacionais focam nas coberturas de Despesas médicas hospitalares (DMH) e extravio de Bagagem, enquanto os internacionais possuem itens que contemplam ocorrências mais específicas, como o acompanhamento de menores ou idosos, traslados de executivo entre outros. “Justamente para que o passageiro não tenha uma despesa que não estava prevista no planejamento da viagem, o seguro garantirá o atendimento através da Central 24 horas, com os prestadores locais ou permitirá o reembolso das despesas ocorridas”, diz a executiva.

Uma das vantagens de contar com um seguro viagem é que o produto não chega a 3% do valor gasto para viajar. Além disso, no Brasil há 47 milhões de usuários de plano de saúde e, deste montante, menos de 20% tem um plano de saúde com cobertura nacional. Por esse motivo, a maioria dos brasileiros, quando não contrata um seguro viagem, se desloca sem qualquer tipo de proteção. 

Na Coris, foi a primeira vez que o seguro nacional chegou a 34% do total dos bilhetes emitidos. “Consideramos o corretor uma peça fundamental em uma maior distribuição sobre a importância da aquisição do seguro viagem para turismo. Privilegiando, inclusive, produtos com maior cobertura, através de informações fundamentais que incentivam a contratação. Somado a isso, a empresa recentemente criou uma área exclusiva para atendimento aos corretores de seguros sob a gestão de Erick Lorga, que possui experiência em seguradoras”, afirma Cláudia Brito, sócia-diretora do Comercial da organização. 

Para Alexandre Camargo, country manager da Assist Card Brasil, a informação é um dos principais fatores que ajudam na conscientização da importância do seguro viagem. Na companhia, o seguro nacional representa 70% das emissões de apólices “A pessoa sabendo dos benefícios que o seguro viagem oferece e as facilidades que ele permite passam a buscar mais pelo produto. É importante que os viajantes entendam que o seguro não é item opcional, mas sim uma proteção essencial para que a viagem seja feita sem preocupações. Percebemos também o aumento da procura por seguro de viagem anual. Para o turista que realiza muitos deslocamentos no ano ele se torna mais acessível e prático, já que não há necessidade de contratar um seguro por viagem. Atualmente essa modalidade já representa 10% de nossas vendas.”

Nicole Fraga
Revista Apólice