16/05/2022

Perdas globais por catástrofes seguradas sobem para US$ 112 bilhões em 2021

Eventos climáticos extremos em 2021, incluindo congelamento invernal profundo, inundações, tempestades severas, ondas de calor e um grande furacão, resultaram em perdas anuais seguradas de catástrofes naturais estimadas em US$ 105 bilhões, a quarta maior alta desde 1970, de acordo com as estimativas do sigma preliminar do Swiss Re Institute.

Embora o furacão Ida tenha sido o desastre natural mais caro em 2021, a tempestade de inverno Uri e outros eventos secundários causaram mais da metade das perdas totais, pois o acúmulo de riqueza e os efeitos da mudança climática em áreas sujeitas a desastres geraram reivindicações. Desastres provocados pelo homem geraram outros US$ 7 bilhões em perdas seguradas, resultando em perdas globais seguradas estimadas de US$ 112 bilhões em 2021.

“Em 202, as perdas seguradas de desastres naturais novamente excederam a média dos dez anos anteriores, continuando a tendência de um aumento anual de 5 a 6% nas perdas visto nas últimas décadas. Parece ter se tornado a norma que pelo menos um evento de perigo secundário, como uma enchente severa, tempestade de inverno ou incêndio florestal, a cada ano resulta em perdas de mais de US$ 10 bilhões. Ao mesmo tempo, o furacão Ida é um lembrete gritante da ameaça e do potencial de perda dos perigos de pico. Apenas um desses eventos atingindo áreas densamente povoadas pode impactar fortemente as perdas anuais”, disse Martin Bertogg, Head of Cat Perils na Swiss Re.

Os dois desastres naturais mais caros do ano foram registrados nos Estados Unidos. O furacão Ida causou US$ 30-32 bilhões em danos estimados para segurados, incluindo inundações em Nova York e a tempestade de inverno Uri causaram US$ 15 bilhões em perdas de segurados. Uri trouxe frio extremo, forte nevasca e acúmulo de gelo, especialmente no Texas, onde a rede elétrica sofreu várias falhas devido às condições de congelamento. O evento mais caro na Europa, entretanto, foram as inundações de julho na Alemanha, Bélgica e países vizinhos, causando até US$ 13 bilhões em perdas seguradas, em comparação com perdas econômicas de mais de US$ 40 bilhões. Isso indica uma lacuna de proteção contra inundações ainda muito grande na Europa. A enchente foi o desastre natural mais caro para a região desde 1970 e o segundo maior do mundo, depois da enchente de 2011 na Tailândia.

“O impacto dos desastres naturais que vivenciamos este ano mais uma vez destaca a necessidade de investimentos significativos no fortalecimento da infraestrutura crítica para mitigar o impacto das condições climáticas extremas”, disse Jérôme Jean Haegeli, Swiss Re’s Group Chief Economist. “Os investimentos em infraestrutura apoiam o crescimento sustentável e a resiliência e precisam ser aumentados. Somente nos EUA, a lacuna de investimento em infraestrutura para manter infraestrutura crítica e obsoleta é de US$ 500 bilhões em média por ano até 2040. Em parceria com o setor público, a indústria de seguros é crítica para fortalecer a resiliência da sociedade aos riscos climáticos, investindo e subscrevendo infraestrutura sustentável.”

Outra atividade devastadora de perigo secundário na Europa incluiu fortes tempestades convectivas em junho, com tempestades, granizo e tornados causando danos generalizados a propriedades na Alemanha, Bélgica, Holanda, República Tcheca e Suíça. As perdas seguradas resultantes são estimadas em US$ 4,5 bilhões. Em outras partes do mundo, ocorreram graves inundações na província chinesa de Henan e na Colúmbia Britânica no Canadá, entre outros.

Na outra extremidade do espectro climático extremo, o Canadá, partes adjacentes dos EUA e muitas partes do Mediterrâneo experimentaram temperaturas recordes em 2021. Durante os últimos dias de junho, uma “cúpula de calor” estabeleceu um novo recorde de temperatura canadense de todos os tempos de quase 50 °C em uma vila na Colúmbia Britânica. As temperaturas no Vale da Morte, Califórnia, atingiram 54,4 °C durante uma das várias ondas de calor no Sudoeste. O calor excepcional costumava ser acompanhado por incêndios florestais devastadores. No entanto, as perdas seguradas associadas foram menores do que nos últimos anos, quando os incêndios afetaram áreas mais populosas. Na Califórnia, os incêndios florestais destruíram, em particular, grandes áreas florestais, mas, em contraste com 2017, 2018 e 2020, invadiram áreas de menor concentração de propriedade.

Essas estimativas de perda por catástrofe do sigma são para danos à propriedade e excluem reivindicações relacionadas a Covid-19. As estimativas de perda neste comunicado à mídia são preliminares e estão sujeitas a alterações, uma vez que nem todos os eventos geradores de perdas foram totalmente avaliados ainda. Por exemplo, a atividade catastrófica em dezembro permaneceu elevada e as perdas resultantes ainda estão sendo avaliadas. A Covid-19 alongou o ciclo de vida dos sinistros, especialmente para grandes eventos, e levará muito mais tempo do que o normal para avaliar a contagem final.

Perdas econômicas totais e seguradas em 2021 e 2020

* Devido a arredondamentos, alguns totais podem não corresponder à soma dos valores separados (Fonte: Swiss Re Institute)

Perdas seguradas globais desde 1970

N.F.
Revista Apólice