seguros

O mercado segurador gaúcho vem mostrando desempenho positivo, acima do patamar nacional. De acordo com dados da Susep (Superintendência de Seguros Privados), de janeiro a agosto de 2021, o Rio Grande do Sul registrou um crescimento de 18,4%, enquanto no Brasil o aumento foi de 14,7%. “Este desempenho mostra que o valor social de proteção das pessoas vem aumentando ano após ano. De 2020 para cá, percebemos, com a pandemia, aumento na preocupação e mudança de hábito do consumidor para a questão seguros”, comentou o presidente do Sinseg-RS (Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul), Guilherme Bini.

Por ter no setor primário sua maior força no PIB, o seguro rural foi o segmento que apresentou maior crescimento na arrecadação nos primeiros oito meses do ano (+ 43,45%). A área segurada no Estado vem crescendo nos últimos anos, com produtores buscando no seguro uma forma de reaver ao menos parte do seu investimento na safra. O setor de transportes também apresentou alta de 32,5%, seguido pelo vida com crescimento de 17,4%. “Sem dúvida a pandemia trouxe a consciência sobre a finitude e a importância de proteção para a mesa de debates. No entanto, ainda temos muito espaço para crescer e temos que aproveitar o interesse das pessoas agora”, ressaltou.

Bini acredita que muitas mudanças pelas quais o setor passou neste último ano e meio de pandemia devem permanecer e possibilitar o acesso de novas pessoas ao seguro. “Os avanços em tecnologia tiveram que ser muito rápidos; projetos que estavam parados há 5 anos tiveram que ir pra rua. Isso possibilitou com que tivéssemos, por exemplo, a vistoria feita pelo próprio segurado e até mesmo a vistoria por drones na agricultura. Na área da saúde, a telemedicina permitiu que as pessoas não ficassem desassistidas mesmo que dentro de casa”, destacou. Com as pessoas mais em casa, as seguradoras também tiveram o maior acionamento de assistências dos últimos anos, fizeram reparos e até mesmo perceberam que era necessário proteger seus bens pessoais e de trabalho. Com isso, as seguradoras se adaptaram e passaram a oferecer coberturas para atividades pessoais e profissionais dentro do seguro residencial.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta