A Amil ampliou o acesso à telessaúde aos seus 3,4 milhões de beneficiários em março do ano passado. De lá para cá, 1,5 milhão de atendimentos foram realizados nos dois modelos oferecidos pela operadora: atendimento virtual de urgência e teleconsulta com hora marcada. No mês de junho foram realizadas 80 mil consultas agendadas e 60 mil atendimentos no Pronto-atendimento virtual da empresa. Hoje, a cada cinco consultas realizadas na rede própria da companhia, uma é por telessaúde.

Em uma pesquisa realizada pela operadora com mais de 64 mil pessoas que solicitaram o serviço de telessaúde de urgência em maio deste ano, 67,5% deles, ou seja, mais de 43 mil beneficiários, disseram que se não tivessem acesso à tecnologia teriam procurado por um pronto-socorro, aumentando o risco de contágio pela Covid-19, além da exposição a outras enfermidades. “Em média 70% das pessoas que pretendiam ir ao pronto-socorro nos últimos meses tiveram seus problemas resolvidos no pronto atendimento virtual. Ou seja, todas essas pessoas deixaram de ir até o hospital para receber as orientações que tiveram por meio do contato virtual com enfermeiros, psicólogos ou médicos”, explica Fernando Pedro, diretor executivo de Gestão de Valor em Saúde da empresa.

Telegram para post

O serviço de pronto atendimento virtual funciona 24h por dia, 7 dias por semana, e tem como canal de entrada o Aplicativo Amil Clientes, o site da companhia e ainda o Amil Ligue Saúde (0800-073-2121). Uma equipe de enfermagem realiza o atendimento inicial para identificar e orientar sobre questões relacionadas ao estado de saúde do paciente, além de esclarecer dúvidas. Os pacientes que não tiveram seus casos resolvidos nesse primeiro contato são direcionados para um atendimento por vídeo com um médico ou psicólogo.

Já na telessaúde com hora agendada pelo aplicativo ou site, a conexão acontece diretamente com o médico, também por meio de uma chamada de vídeo. Além do atendimento para orientações de saúde, os médicos conseguem enviar atestados de afastamento e receitas médicas.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta