swiss re
(FOTO: Proteção Civil)

Um inverno severo, tempestades de granizo e incêndios florestais contribuíram para perdas por catástrofes naturais de mais de US$ 40 bilhões no primeiro semestre de 2021, de acordo com as estimativas preliminares de sigma do Swiss Re Institute. Este valor está acima da média dos dez anos anteriores de US$ 33 bilhões e a segunda maior já registrada no primeiro semestre depois de 2011, quando os principais terremotos no Japão e na Nova Zelândia empurraram o total de seis meses para US$ 104 bilhões. Desastres provocados pelo homem provocaram outros US$ 2 bilhões estimados em perdas seguradas no primeiro semestre deste ano, menos do que o normal e provavelmente refletindo as restrições remanescentes do Covid-19.

Martin Bertogg, chefe da Cat Perils na Swiss Re, disse: “Os efeitos da mudança climática estão se manifestando em temperaturas mais altas, aumento do nível do mar, padrões de chuva mais erráticos e maiores extremos climáticos. Juntamente com o rápido desenvolvimento urbano e o acúmulo de riqueza em áreas propensas a desastres, os perigos secundários, como tempestades de inverno, granizo, enchentes ou incêndios florestais, levam a perdas por catástrofes cada vez maiores. A experiência até agora em 2021 ressalta os riscos crescentes desses perigos, expondo comunidades cada vez maiores a eventos climáticos extremos. Por exemplo, a tempestade de inverno Uri atingiu a magnitude de perda que perigos de pico como os furacões podem causar. O setor de seguros precisa aumentar seus recursos de avaliação de risco para esses perigos menos monitorados, a fim de manter e expandir sua contribuição para a resiliência financeira”.

As perdas econômicas globais com eventos de desastre são estimadas em US$ 77 bilhões no primeiro semestre de 2021. Isso está abaixo da média dos últimos dez anos (US$ 108 bilhões). O número de perdas econômicas deve aumentar à medida que mais perdas forem contabilizadas nos próximos meses. A primeira metade do ano também não é representativa dos números do ano inteiro, porque o terceiro trimestre é historicamente o mais sujeito a perdas em termos de catástrofes naturais. Do total de perdas econômicas estimadas no primeiro semestre de 2021, US$ 74 bilhões foram causados ​​por catástrofes naturais, enquanto os desastres provocados pelo homem geraram US$ 3 bilhões adicionais. Quase 4.500 pessoas perderam a vida ou desapareceram em desastres no primeiro semestre.

Telegram para post

Eventos climáticos severos aumentam as perdas por catástrofes naturais
Em fevereiro, um período de frio extremo combinado com forte nevasca e acúmulo de gelo nos EUA – comumente referido como tempestade de inverno Uri – provocou perdas seguradas estimadas de US $ 15 bilhões, o maior já registrado para este perigo nos EUA e cerca de 38% de todas as perdas seguradas estimadas em catástrofes naturais no primeiro semestre deste ano. Em junho, um clima severo, incluindo tempestades, granizo e tornados, atingiu a Europa, afetando casas e veículos na Alemanha, Bélgica, Holanda, República Tcheca e Suíça. As perdas seguradas desta atividade de tempestade convectiva são estimadas em US $ 4,5 bilhões.

O calor extremo do final de junho quebrou os recordes de temperatura em todo o oeste do Canadá e noroeste dos EUA, com temperaturas atingindo mais de 45 ° C (113 ° F) por dias consecutivos. O calor, juntamente com condições de seca severa, levou a incêndios florestais que se espalharam para o sul da Califórnia. Indo para a segunda metade do ano, julho viu severas inundações causando destruição de propriedades e perda de vidas na Europa e na China. Espera-se que as inundações na Alemanha e em seus países vizinhos causem perdas substanciais para os segurados, estimadas apenas na Alemanha em EUR 4,5 – 5,5 bilhões (US $ 5,3 – 6,5 bilhões), de acordo com a Associação Alemã de Seguros. Na China, severas inundações na província de Henan resultaram em sinistros de segurados estimados em CNY 11 bilhões (US $ 1,7 bilhão), de acordo com a Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China. Em agosto, o calor extremo gerou incêndios florestais na Turquia, Grécia e Itália, que devem levar a mais perdas econômicas e de segurados.

Jérôme Jean Haegeli, economista-chefe do Grupo Swiss Re, esclareceu: “A mudança climática é um dos maiores riscos que a sociedade e a economia global enfrentam. A análise recente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU confirma as expectativas de condições meteorológicas mais extremas no futuro e a urgência de agir para limitar o aquecimento global. Trabalhando com o setor público, a indústria de resseguros desempenha um papel fundamental em ajudar a fortalecer a resiliência das comunidades, afastando o desenvolvimento de áreas de alto risco, fazendo investimentos de adaptação, mantendo a segurabilidade de ativos e reduzindo as lacunas de proteção”.

K.L.
Revista Apólice

Deixe uma resposta