sulamérica

Uma das maiores assets independentes do Brasil e com R$ 46 bilhões de ativos sob gestão, a SulAmérica Investimentos expandiu sua área de Crédito Privado e reforçou o time com nomes estabelecidos no mercado. Os movimentos são parte da estratégia de fortalecimento do segmento de crédito com mais afinco em um momento de retomada da economia.

Hoje já são cerca de R$ 7 bilhões nesta classe de ativo sob gestão entre mandatos exclusivos e fundos abertos, com potencial de crescimento. Para Marcelo Mello, vice-presidente de Investimentos, Vida e Previdência da SulAmérica, a estratégia tem grande potencial de expansão na carteira de clientes, contando ainda com fortes pilares no tema ESG.

A área, que desde o fim de 2020 é comandada pela head de Crédito Privado, Daniela Gamboa (ex-BankBoston, Itaú BBA e Kinea), agora também conta com Leandro Trielli na Gestão de Crédito.

Trielli iniciou sua carreira no Unibanco e passou por Unibanco Asset Management, Santander Asset e Schroders. Possui Mestrado em Economia pelo Insper e graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Foi a quarta contratação para o time de crédito desde o ano passado.

“É um excelente momento para os fundos de crédito privado, com subida de juros e captação de dinheiro na indústria. Mais do que dobramos a equipe de Crédito porque acreditamos no crescimento e desenvolvimento da classe de ativo”, afirma Daniela. “Este setor tem características de liquidez e de mercado que demandam especialização. Por isso era importante ampliarmos esta área dentro da asset. A equipe maior permite a gestora ser mais ativa nos mercados primário e secundário e também deve permitir o lançamento de produtos mais sofisticados”, continua.

Além de Gamboa e Trielli, o time também é composto por Marcelo Vecci (formado em Economia pela PUC-SP, faz parte da SulAmérica desde 1997 e trabalha nas operações financeiras da asset desde 2000), Lauro Campos (formado em Economia no Mackenzie, atua desde 1990 em análise de crédito, tendo trabalhado anteriormente em Banco Dibens, Banco BBA e BankBoston; ingressou na SulAmérica Investimentos em 1997) e outros três analistas de crédito, Daniel Batarce (ex-S&P, Fitch Ratings e Newfoundland Capital), Caroline Naves (ex-Banco de Tokyo, Fator e Banco Santander) e Bárbara Barbosa, todos com sólida experiência no setor financeiro e de crédito.

Telegram para post

Produtos com compromisso

Alinhada com as melhores práticas ESG e ancorada na estratégia de expansão da área de Crédito Privado, a empresa lançou a família SulAmérica Crédito ESG, o primeiro que alia um filtro ESG à experiência em crédito da gestora. A oferta tem dois fundos: um destinado a investidores qualificados como pessoa física (SulAmérica Crédito ESG FI RF CP) e outro voltado para o segmento institucional (SulAmérica Crédito ESG Institucional FI RF CP).

O SulAmérica Crédito ESG é resultado da parceria com a Resultante, uma consultoria especializada em avaliações ESG, e é um fundo essencialmente best-in-class, que investe nas companhias com as melhores avaliações dentro dos seus setores relacionados aos critérios ESG, e destinado a investidores qualificados. O fundo foi estruturado para aproveitar as oportunidades da ampla diversidade de ativos de crédito privados oferecidas tanto no mercado local quanto em diversos mercados, e das oscilações entre preços dos ativos, com possibilidade de investimentos, entre outros, em debêntures de companhias abertas e fechadas, títulos bancários, CRIs, CRAs e FIDCs.

Os fundos buscam entregar retorno de CDI de +1,80 e CDI +2,00% a.a. – com priorização de alocações do risco adequado para este retorno, taxa de administração de 0,60% para parcela alocada em crédito do fundo e de 0,15% para parcela em caixa, além de taxa de performance de 20% sobre o que exceder do CDI.

“Tudo isso mostra que o SulAmérica Crédito ESG une o que há de melhor no mercado de investimentos com toda a responsabilidade dos critérios ESG e a tradição da companhia”, finaliza Daniela.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta