disney

A Walt Disney Company está processando sua seguradora Fireman’s Fund Insurance em cerca de US$ 10 milhões por custos da cobertura de Segunda Onda e Hiato de Férias, durante a pandemia do Coronavírus no ano passado. A batalha judicial foi iniciada após a seguradora alegar que não devia pagamentos pelos períodos solicitados pela empresa, segundo sua leitura da política estabelecida nos EUA, de outubro de 2019.

“Depois de vários meses, as ordens de fechamento foram gradualmente modificadas, permitindo que a produção fosse retomada. No entanto, várias jurisdições impuseram requisitos, incluindo, por exemplo, testes frequentes e quarentena do elenco e da equipe em caso de exposição. As restrições levaram a mais paralisações, mais despesas e mais reclamações”, diz a reclamação apresentada pelos advogados da Disney.

As partes acabaram concordando e estão perto de entrar em um acordo sobre as reivindicações da Primeira Onda, no entanto, não conseguem concordar com o comprometimento da Fireman’s com o restante dos custos e qual cláusula da apólice se refere ao assunto em questão.

“O Fireman’s Fund alega e a Disney contesta que, na medida em que a segurada incorreu em despesas extras como resultado do elenco/tripulantes cobertos, que eram saudáveis, sendo obrigados a quarentena devido à exposição a pessoas que testaram positivo e/ou foram infectadas, não cobertura sob a cobertura do elenco. A Disney afirma ainda que a cobertura está disponível para as Reivindicações da Segunda Onda sob a Cobertura da Autoridade Civil da Apólice”, aponta o processo da Fireman.

Os advogados da seguradora, ainda, salientaram que sua cliente contesta as afirmações da Disney sobre a cobertura. “O Fireman’s Fund contesta isso e afirma que a Cobertura da Autoridade Civil não é acionada por ordens das autoridades civis exigindo, por exemplo, testes e/ou quarentena, mas apenas por ordens de revogação da permissão de uso ou proibição de acesso às instalações usadas ou a serem usadas em uma produção segurada”, eles afirmaram.

Telegram para post

E os advogados continuam: “O Fireman’s Fund afirma que a Cobertura de Perigo Iminente não é aplicável porque o perigo, ou seja, a pandemia, não é mais iminente. Em vez disso, chegou em 2020. Alternativamente, o Fireman’s Fund afirma que, se o perigo não for a pandemia em si, mas, em vez disso, o risco iminente de infecção que a Cobertura de Perigo Iminente não se destina a aplicar onde um produtor, ou seja, a Disney, intencionalmente coloca o elenco e a equipe em perigo ao continuar a produção em face de um perigo que deve, por definição, ser iminente e de tal probabilidade e gravidade que seria desarrazoado ou inescrupuloso ignorar”, acusaram.

No processo a Disney explica o porquê da paralisação prolongada durante os feriados de Natal e Ano Novo deveriam ser cobertos.

“É costume na indústria que as produções de cinema e televisão pausem por duas semanas, começando alguns dias antes do Natal e se estendendo até depois do dia de Ano Novo, para que o elenco e a equipe possam aproveitar as férias. De acordo com a Disney, as autoridades de saúde pública em Los Angeles, Atlanta e Londres expressaram elevada preocupação durante os feriados de 2020-2021 sobre o pico de níveis de Covid-19, e pediram, mas não ordenou, que a Disney estendesse o hiato de feriado para mais 1-2 semanas”, diz o documento.

O processo continua em andamento no Tribunal Superior de Los Angeles.

* Fonte: site e-Pipoca

Deixe uma resposta