O Swiss Re Institute publicou hoje seu Índice de Resiliência pelo terceiro ano consecutivo, revelando que a crise causada pela Covid-19 reduziu a resiliência macroeconômica global em quase um quinto em 2020. O crescimento econômico global deve se recuperar fortemente em 2021, após a recessão induzida pela pandemia em 2020. Isso ajudará a construir resiliência macroeconômica novamente, mas não haverá um retorno aos níveis de resiliência pré-Covid-19 em 2021. A lacuna de proteção de seguro global atingiu um novo máximo de cerca de US $ 1,4 trilhão em 2020, mas a resiliência deve crescer em 2021 devido ao aumento da conscientização sobre os risco.

Jérôme Haegeli
Jérôme Haegeli

Jérôme Haegeli, economista-chefe do Grupo Swiss Re afirma que “nosso estudo mostra claramente que a resiliência econômica compensa. As regiões avançadas se beneficiaram de níveis mais fortes de resiliência macroeconômica e de seguro de saúde do que suas contrapartes emergentes. No entanto, para restaurar a resiliência macroeconômica e impulsionar o crescimento são necessárias profundas reformas estruturais. A pandemia global acentuou o fosso entre ricos e pobres”.

Ela revelou a necessidade de os governos se concentrarem na reconstrução e na promoção da coesão social. A igualdade social – e, em seu cerne, a criação de oportunidades iguais para todos – será uma característica definidora de um mundo mais resiliente.

A lacuna global de proteção de seguro atingiu um novo máximo de US $ 1,4 trilhão. Fechar essa lacuna apoiaria a estabilidade econômica de longo prazo e aumentaria a capacidade da sociedade de absorver choques. Tornar o seguro mais amplamente disponível e acessível será essencial. Mas as resseguradoras e os líderes empresariais e governamentais devem fazer da resiliência uma prioridade compartilhada.

Resiliência macro: recuperação sustentada de uma pandemia vulnerável a contratempos

A resiliência global enfraqueceu significativamente devido à crise de Covid-19, com o Índice de Resiliência Macroeconômica caindo de 0,54 para 0,44 em 2019. Isso foi impulsionado por níveis extraordinários de estímulo fiscal em mercados avançados para amortecer o golpe econômico da pandemia. Por exemplo, em janeiro de 2021, tanto os EUA quanto o Reino Unido alocaram cerca de 30% de seu PIB para gastos e suporte de liquidez para suas economias.

Consequentemente, os níveis de dívida do governo nas economias avançadas aumentaram em mais de 16%, o maior aumento anual desde a virada do século. Esses aumentos foram acomodados por uma política monetária muito frouxa, que manteve um controle sobre os custos do serviço da dívida.

Com uma forte recuperação econômica em 2021, o Swiss Re Institute prevê que a resiliência macroeconômica global se fortaleça, principalmente impulsionada pelas economias avançadas, mas não espera um retorno aos níveis pré-pandêmicos este ano.

Telegram para post

As reformas estruturais devem permanecer uma prioridade para construir perspectivas de crescimento de longo prazo e restaurar a resiliência macroeconômica.

O crescimento em países com níveis mais elevados de resiliência macroeconômica pré-pandemia, como a Suíça e a Noruega, foi mais forte durante a recessão global do que em outros, como a Espanha e a Grécia. Suíça, Noruega, Dinamarca, Finlândia e Holanda são os países economicamente mais resilientes, enquanto México, África do Sul, Brasil, Turquia e Grécia são os menos resilientes.

Resiliência de seguro: aumento da consciência de risco pós Covid-19 para apoiar a demanda de seguro

Espera-se que a resiliência global do seguro se fortaleça em 2021, sustentada pela crescente conscientização sobre o risco. Para muitas pessoas, a experiência da Covid-19 destacou a importância das coberturas de proteção contra riscos.

A lacuna de proteção mundial combinada para riscos de saúde, mortalidade e catástrofes naturais atingiu um novo máximo de cerca de US $ 1,4 trilhão em 2020 em meio à crise pandêmica.

O Índice de Resiliência em Saúde SRI global enfraqueceu ligeiramente em 2020. Os mercados emergentes com menor resiliência em saúde eram os mais vulneráveis. A lacuna global de proteção à saúde aumentou para US $ 747 bilhões em 2020, 63% dos quais derivados de mercados emergentes.

O índice de mortalidade enfraqueceu devido à queda nos ativos financeiros e ao aumento da dívida das famílias em meio à crise pandêmica. O Índice de Resiliência de Mortalidade SRI global caiu de 47,5 em 2019 para 45,8 em 2020.

O índice global a catástrofes naturais permanece a mais baixa de todas, com o índice global sendo de 24% em 2020, o que significa que 76% dessas necessidades de proteção em todo o mundo não têm seguro.

K.L.
Revista Apólice

Deixe uma resposta