cargas

No primeiro quadrimestre de 2021 foram registrados R$ 2,9 trilhões em movimentação de cargas no País, sendo que no mesmo período do ano passado foram contabilizados R$2,1 trilhões, um aumento de 38,63%, segundo o relatório “Índice da Movimentação de Cargas do Brasil” desenvolvido pela AT&M, empresa de averbação eletrônica para seguros de transporte de cargas. A base de dados do relatório é formada por mais de 25 mil empresas, entre transportadoras, operadores logísticos e embarcadores.

No primeiro quadrimestre de 2021 foram 327 milhões de documentos averbados que representam os pedidos de transportes realizados no período, sendo que no mesmo período do ano passado foram 185 milhões documentos averbados.

Segundo Thiago Marques, CEO da companhia, a pandemia da Covid-19 não prejudicou o desempenho do transporte de cargas. Ele explica que o relatório é um termômetro para a economia brasileira. “Com o aumento dos valores da movimentação de cargas, isso quer dizer que a economia interna está em recuperação. Inclusive o setor que mais contribuiu com os resultados é o e-commerce, que a cada mês conquista dados crescentes de desempenho por conta do novo comportamento do consumidor durante a pandemia”.

Comparativos 2020 x 2019

O relatório também aponta que em 2020, foram registrados R$ 7,5 trilhões em movimentação de cargas, sendo que em 2019, foram contabilizados R$6,8 trilhões, um aumento de 10%. Ao todo foram 792 milhões de documentos averbados que representam os pedidos de transportes realizados no período.

Telegram para post

Marques explica que os valores mencionados se referem a soma de todos os tipos de cargas transportadas em território nacional, assim como: insumos para produção de diversos setores da indústria, produtos acabados, transferências de mercadorias para diferentes localidades, produtos importados, enfim qualquer tipo de movimentação de cargas nos modais rodoviário, ferroviário e hidroviário.

Embarque por Estado

Em 2020, cerca de 52% das movimentações de cargas registraram origem de embarque no estado de São Paulo. Na sequência, temos Minas Gerais (11,20%) e Rio Grande do Sul (5,16%).

No primeiro quadrimestre de 2021, 54,40% dos embarques tiveram origem também no estado de São Paulo. Na sequência, aparecem no relatório, os estados de Minas Gerais (10,32%), Paraná (5,35%) e Rio Grande do Sul (4,77%).

Metodologia 

De acordo com Marques, os indicadores não são construídos com base em pesquisa ou percepções de mercado. Ele explica que são contabilizados a partir de notas fiscais e Conhecimentos de Transportes (CT-es) eletrônicos informados diariamente no momento do embarque pelo transportador, ou seja, revelam com exatidão os valores das cargas movimentadas no território nacional.

Desde 2018, os dados de movimentação de cargas que são informados oficialmente ao mercado pela AT&M refletem com segurança, o termômetro do transporte de cargas do Brasil. Para a contabilização diária, sem interrupções, sete vezes por semana, 24 horas por dia, a empresa mantém infraestrutura tecnológica formada por servidores instalados em um dos maiores data centers do mundo.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta