open

EXCLUSIVO – A Susep já está com a agenda do Open Insurance pronta para entrar em vigor. A partir de maio de 2022 todas as empresas devem estar prontas para compartilhar as informações de seus clientes, que serão os responsáveis pela autorização para uso destes dados. A FCamara alerta as empresas para que deem atenção ao fato de que poderão se beneficiar destas informações para a criação de novos produtos, mais customizados de maneira mais ágil.

Marcio da Mata, FCamara
Marcio da Mata

De acordo com Marcio da Mata, Diretor Executivo – Transformação Digital e Inovação Negócios Exponenciais, a Susep irá adotar o modelo de Open Insurance baseado no Open Banking, regulamentado pelo Banco Central. “Os dois projetos estão sob o guarda-chuva do Open Finance, um projeto que dá poder ao histórico do cliente para que ele possa fazer a portabilidade de produtos”, explica.

No mercado de seguros, por meio de APIs (conjunto de protocolos para integração de softwares) e com a intermediação de corretores de seguros, haverá uma padronização das informações e de produtos a título de comparação. O cliente terá o poder de comprar e adquirir produtos com mais clareza na sua escolha.

A FCamara, em conjunto com a empresa britânica Raidiam, vai implementar a parte de regulamentação do Open Banking pelo lado concentrador do Banco Central. No Open Insurance, a empresa dará a consultoria estratégica sobre como aumentar e ter maior performance neste mundo de grande competitividade. “As grandes empresas terão uma enorme quantidade de dados disponibilizados. Por outro lado, com a visão total dos dados eles podem buscar clientes que antes nem enxergavam”, pontua Marcio da Mata. Neste oceano azul existe a possibilidade de ser atacado e a oportunidade de atacar também.

Marcos Moraes, FCamara
Marcos Moraes

Segundo Marcos Moraes, Executivo de Negócios, o posicionamento da FCamara começa com a definição de estratégias relacionadas à jornada e experiência do cliente. Também pode ajudar as seguradoras a se beneficiarem do Open Insurance, da necessidade de compartilhar informações do produto e do segurado e das APIs abertas para contratação de serviços, endossos, etc. “A partir do momento em que a empresa começa a participar ela já pode ter estratégia para absorver o que as outras seguradoras estão compartilhando. Você entra em outra jornada de Insurance Data Driven pois, por mais que você tenha todos os guidelines para trabalhar com seus produtos, agora será possível criar um paralelo sobre os produtos, coberturas e conhecer os clientes de seus concorrentes”, ressalta.

Hugo Guimerans, consultor de Negócios de Seguros, lembra que o segurado é o principal beneficiário de todo este processo de inovação. Além de ter acesso a toda oferta de produtos e coberturas do mercado, o cliente poderá até propor a contratação de um produto que atenda exclusivamente suas necessidades. “Com relação a Susep, também estamos atuando na revisão dos manuais publicados, contribuindo com sugestões que possam incrementar a regulamentação”, avisa.

Aproximação do cliente e da legislação

A FCamara é especialista em transformação digital para negócios, incluindo o mercado de seguros. “Assim, estamos preparados para apoiar as organizações que queiram estar na vanguarda deste movimento”, afirma Marcio da Mata.

A empresa é especializada em transformação cultural, digital e cognitiva. “Cultural é porque todas as mudanças que estão acontecendo não são simples. Elas se baseiam em pessoas e em como elas estão nas empresas. O digital está sendo apenas uma consequência da mudança do mindset das pessoas”, enumera Moraes.

Telegram para post

Com 13 anos de existência, o Grupo FCamara é focado em tecnologia para negócios, do início ao fim.  Apesar de ter iniciado pelo mercado de e-commerce, ao longo dos anos desenvolveu frentes de negócios como saúde, manufatura, agro, seguros, entre outros. No final de 2020 o Grupo venceu a licitação do Banco Central para tocar a parte do repositório do Open Banking, junto com o parceiro inglês. Neste compasso, traz também o Open Insurance, que na Inglaterra só será iniciado em 2022.

A FCamara é especializada em transformação digital centrada no negócio, jornada de dados, advanced analytics e cultura de inovação. Além da forte competência em arquitetura de soluções digitais de alta performance e escala, a empresa se organizou em função de oportunidades específicas para cada setor. Por isso, construiu aceleradores com o objetivo de resolver problemas comuns aos diversos segmentos, diz Marcio.

Com cerca de 1000 profissionais, o Grupo FCamara tem entre seus parceiros Google, Microsoft, Via Varejo, DASA entre outros. Na vertente de seguros, a empresa está baseada em três pilares: Open Insurance, Experiência do Segurado e Jornada de Dados de Seguros. “Dentro da estrutura temos posicionamento para entender qual é a dor do cliente e pensar na solução. São pontos distintos, mas voltados para a experiência do segurado”, avalia Moraes.

Até maio de 2022 começaremos a pensar também nos corretores de seguros, porque já estará disponibilizada toda a parte de contratação, de consumo, e será possível começar a criar aplicativos, comparativos entre produtos e coberturas. Marcio da Mata acrescenta: “as seguradoras detêm os produtos e elas ainda estão se preparando para realizar as integrações”.

Aceleradores

O Grupo pretende criar alguns aceleradores para ajudar as seguradoras a se organizarem a ter acesso à liberação e usufruir dos benefícios do Open Insurance. Da mesma forma que a empresa já atua em Open Banking, onde ela já apoia vários clientes.

Raquel Cardoso
Raquel Cardoso

“Por conhecer como o Open Banking foi feito, a empresa tem a possibilidade de aproximar os atores deste negócio, mas desta vez no contexto de seguros. Assim, podemos oferecer mais agilidade na aplicabilidade de várias tratativas”, completa Raquel Cardoso, Head de Marketing.

O Grupo FCamara está preparado para auxiliar as empresas desde a estruturação da parte de arquitetura, no negócio, na abertura de APIs até a integração com a Susep. “Estamos na jornada do Open Insurance de ponta a ponta, são insights em cima de insights”, anima-se Mata.

 

Kelly Lubiato
Revista Apólice

Deixe uma resposta