seguro

EXCLUSIVO – O mercado de seguro viagem sofreu juntamente com o setor de Turismo os efeitos da pandemia, fechando o ano com quase R$ 242 milhões em prêmios, 59% menos na comparação com 2019, cujo o montante foi de R$ 592 milhões. Além disso, segundo dados da Susep, o valor dos sinistros pagos pelo setor chegou a R$ 373 milhões no ano passado, superando os prêmios.

Mas apesar da queda, com a retomada gradual das viagens, há espaço para o segmento voltar a crescer. Segundo o relatório “Travel Insurance Global Market Trajectory & Analytics”, produzido pela Research and Markets, o mercado de seguro viagem deve crescer cerca de 57% no mundo nos próximos anos, saindo do patamar de US$ 21,5 bilhões em 2020 para US$ 33,7 bilhões até 2027, uma média de 6,7% de crescimento ao ano. Uma tendência que também vale a pena ser destacada é o aumento na contratação do produto para viagens nacionais. De acordo com a Associação Brasileira de Operadoras de Turismo (Braztoa), mais de 60% das operadoras de vendas de seguro viagem no Brasil se mantiveram estáveis ou cresceram entre as demandas.

seguro
José Carlos Menezes

“Antes do coronavírus, muitos viajantes acreditavam que estavam protegidos com seu plano de saúde ou mesmo com a cobertura oferecida pelo seu cartão de crédito. Hoje, a desinformação foi superada e a população sabe da importância de ter um seguro viagem completo. Além disso, o seguro vem se tornando obrigatório em muitos destinos. Sendo assim, o setor ainda tem muito espaço para crescer e mostrar cada vez mais sua relevância para a população”, afirma José Carlos Menezes, diretor geral da Affinity Seguro Viagem.

Fabiano Lima

Pensando nesse movimento de expansão do produto, a Zurich fechou uma parceria com a Visa e a Cielo para viabilizar o lançamento da primeira operação de transferências instantâneas de indenizações de seguros envolvendo cartões de débito. A solução, que utilizará a plataforma Visa Direct, permite reduzir o tempo para o segurado receber a indenização no seguro viagem após a sua aprovação de cobertura, de cinco dias úteis para até 30 minutos nos emissores habilitados com essa funcionalidade. “A inovação é um dos nossos pilares estratégicos e temos investido muito em tecnologia, na prestação de serviços aos clientes e nas facilidades para o dia a dia dos parceiros de negócios. Com as mudanças nos hábitos de consumo, as pessoas estão cada vez mais buscando soluções ágeis e que atendam suas necessidades de forma instantânea”, diz Fabiano Lima, diretor de Vida, Previdência e Capitalização da seguradora.

Alexandre Camargo

A Assist Card também está preparando novidades para este ano e uma delas é a “Think Assist Card”, uma nova unidade de negócios que oferecerá soluções de tecnologia ao mercado. A companhia irá disponibilizar serviços de consultoria e também vender algumas ferramentas que já utiliza, como, por exemplo, o próprio aplicativo de telemedicina que será comercializado para qualquer empresa médica ou não médica que tenha o objetivo de oferecer atendimento por videoconferência aos seus clientes ou funcionários. “Uma das primeiras ações que você deve tomar em uma pandemia é levar aos seus segurados a tranquilidade de que eles continuarão sendo assistidos. Nosso maior objetivo é ter uma operação rentável, saudável e com um atendimento de excelência, por isso estamos investindo em novos serviços para nos diferenciarmos no mercado”.

Edson Souza

Com R$87,9 milhões em prêmios, a AIG representa 36,6% do total do market share do mercado. A expectativa da empresa é que a partir do 2º semestre uma grande demanda de viagens que foram represadas nestes últimos 12 meses voltem a acontecer exponencialmente, seja viagem a lazer ou coorporativa. De acordo com Edson Souza, diretor de Produtos da seguradora, há uma grande movimentação na distribuição de seguro viagem através de plataformas digitais. “Acreditamos que este será o futuro e caminhamos a passos largos na direção deste novo modelo. Estamos em projetos de expansão buscando novos parceiros em diferentes segmentos, principalmente os digitais: Insurtechs, Bancos Digitais e Operadores de Turismo”.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta