Gabriel Boyer

Atualizada às 19h41 – O ano de 2021 começou com o mercado de M&As, investimento, IPO’s e Exits aquecido. Uma dessas movimentações está sendo feita na NEWE Seguros. O executivo e co-fundador, Gabriel Boyer, está deixando a companhia depois de consolidá-la como a 6º maior empresa de seguros agrícolas do Brasil. Durante a atuação de dois anos (2019-2021), o ex-COO realizou um plano operacional e financeiro de turnaround e garantiu um faturamento de R$169 milhões em 2020, um aumento de 112% em relação a 2019.

Boyer passa a atuar como acionista da empresa e afirma ter alcançado seu objetivo de se tornar dispensável para o cargo. ”A principal função de um líder, na minha visão, é se tornar desnecessário para a companhia. Acredito que o momento correto para sair de cena é quando a sua janela de entregas para a empresa está concluída e assim ela consegue estar pronta para seguir sem sua presença. Isso está vinculado à construção de pilares sólidos dentro daquela comunidade/empresa que vai continuar gerando valor mesmo após a sua saída”, explica o executivo.

Formado em Ciências Atuariais pela UFRJ, Boyer tem quase 20 anos de carreira, onde foi responsável por grandes operações em multinacionais como Alterra e Markel. Segundo o executivo, a saída está ligada a objetivos pessoais de trilhar novos caminhos e replicar novos cases de turnaround e consolidação de marca em outros setores da economia. O executivo é reconhecido no seu mercado de atuação e considerado um dos principais especialistas em seguro agrícola e seguro garantia no Brasil. Boyer está saindo da operação da NEWE em sua melhor fase: 85 funcionários, melhor média de sinistralidade do mercado em 24 meses seguidos e 15% de ROE no ano de 2020.

Rodrigo Motroni, vice-presidente comercial e de sinistros da Newe, disse que a saída de Boyer foi muito planejada e que as suas funções foram distribuídas entre os outros diretores. “A empresa segue sem nenhuma grande mudança. Os planos para 2021, com a perspectiva de dobrar de tamanho ainda neste ano”, acrescenta Motroni.

K.L.
Revista Apólice

Deixe uma resposta