mapfre

O setor de seguros tinha uma predominância masculina até que aos poucos as mulheres conseguiram ocupar seu espaço. Hoje elas já representam um pouco mais da metade dos colaboradores do mercado. Uma delas é Dayse Magesti, diretora secretária do CCS-RJ (Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro). A segunda mulher a ter um posto de direção no Clube. Mais um motivo para a entidade comemorar o Dia Mundial da Mulher, celebrado no dia 08 de março.

Um dos compromissos da diretoria eleita para o biênio 2021-2022 é a fomentação de ações junto à Comissão das Mulheres. “Acredito que a equiparidade entre homens e mulheres, inclusive em cargos de liderança e salarial, é justo e também salutar para o crescimento do mercado de seguros. Parabéns a todas as mulheres por suas conquistas e lutas”, pontua Luiz Mário Rutowitsch, presidente da entidade.

De acordo com Dayse, seu convite para exercer o cargo na atual direção do CCS-RJ demostra a posição do Clube de acreditar que com uma mulher na diretoria é possível ter mais equidade. Isto é, uma direção que se manifesta a favor do senso de justiça, imparcialidade, respeito à igualdade de direitos.

“O CCS-RJ está sempre enfatizando o papel das mulheres corretoras de seguros no mercado, e principalmente criando muitas oportunidades para o desenvolvimento da Comissão das Mulheres, promovendo encontros, palestras/lives específicas. Oferecemos todo apoio para criação de novos projetos que evidencie a mulher no mercado de seguros”, comenta Dayse.

O quadro associativo do Sindseg-SC (Sindicato das Empresas de Seguros Privados, de Resseguros e de Capitalização no Estado de Santa Catarina), é composto por seguradoras, e a participação delas nessa Edição, em homenagem a você Mulher, foi fundamental.

As seguradoras apresentam na 58ª edição do Informativo Sindseg-SC, dados estatísticos, informações sobre produtos, relatos, homenagens e conteúdos sobre a importância da mulher no mercado de seguros.

Foram convidadas duas profissionais palestrantes: Eliane Wamser (EW Desenvolvimento Profissional) e Maria Helena Monteiro (ENS), que compartilharam com o Sindicato artigos enriquecedores sobre a mulher e o seu sentimento de pertencimento.

Nesta edição, foi apresentado também o Editorial, assinado pelo presidente Waldecyr Schilling, que destaca “Temos muito o que relatar sobre mulheres, todas sem exceções: do meu, do seu, do nosso convívio. Mulheres que fizeram histórias, serviram de inspiração para sociedade e continuam escrevendo na linha do tempo”, e não foi só isso, Schilling encerra o editorial, com uma frase de Coco Chanel “Uma mulher deve ser duas coisas: quem e o que quiser”.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta