Covid-19

Um trio de riscos relacionados à Covid-19 encabeça o 10º Allianz Risk Barometer 2021, refletindo potenciais cenários de interrupções e perdas que as empresas estão enfrentando na esteira da pandemia de coronavírus. Os lucros cessantes (nº 1 com 41% de respostas) e o surto pandêmico (nº 2 com 40%) são os maiores riscos para as empresas este ano, com os incidentes cibernéticos (40%) ocupando o terceiro lugar. A pesquisa anual global sobre riscos comerciais da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) incorpora as opiniões de 2.769 especialistas em 92 países, incluindo CEOs, gestores de risco, corretores e especialistas em seguros.

“O estudo é claramente dominado pelo trio de riscos Covid-19. A interrupção dos negócios, a pandemia e cyber risks estão fortemente interligados, demonstrando as crescentes vulnerabilidades de um mundo altamente globalizado e conectado”, diz Joachim Müller, CEO da AGCS. “A pandemia de coronavírus é um lembrete de que a gestão de riscos e da continuidade de negócios precisam evoluir ainda mais para ajudar as empresas a se prepararem e sobreviverem a eventos extremos”. Enquanto a pandemia continua a ter um controle firme sobre países ao redor do mundo, também temos que nos preparar para cenários extremos mais freqüentes, tais como uma indisponibilidade global de serviços em nuvem ou um ataque cibernético, desastres naturais impulsionados pela mudança climática ou até mesmo o outro surto de outra doença”.

A crise da Covid-19 continua representando uma ameaça imediata tanto para a segurança individual quanto para as empresas, refletindo a razão pela qual o surto pandêmico subiu 15 posições até a posição nº2 no ranking, às custas de outros riscos. Antes de 2021, nunca havia ficado acima da 16ª posição nos 10 anos do Aliianz Risk Barometer, um risco claramente subestimado. Entretanto, em 2021, é o risco número um em 16 países, está entre os três maiores riscos em todos os continentes e em 35 dos 38 países que se qualificam para uma análise dos 10 maiores riscos. Japão, Coréia do Sul e Gana são as únicas exceções.

Os desenvolvimentos do mercado (4º com 19%) também sobem no Allianz Risk Barometer 2021, refletindo o risco de aumento das taxas de insolvência pós-pandemia. De acordo com Euler Hermes, a maior parte das insolvências virá em 2021. O índice global de insolvência da seguradora de crédito comercial deve atingir um recorde de falências, com alta de 35% até o final de 2021, com grandes aumentos esperados nos EUA, Brasil, China e principais países europeus. Além disso, a Covid-19 provavelmente desencadeará um período de inovação e disrupção do mercado, acelerando a adoção de tecnologias, acelerando o desaparecimento de empresas estabelecidas e setores tradicionais e dando origem a novos concorrentes. Outros riscos ainda incluem os desenvolvimentos macroeconômicos (8º com 13%) e riscos políticos e violência (nº10 com 11%) também são, em grande parte, uma consequência do surto de coronavírus. As quedas incluem mudanças na legislação e regulamentação (nº 5 com 19%), catástrofes naturais (nº 6 com 17%), incêndio/explosão (nº 7 com 16%) e mudanças climáticas (nº 9 com 13%), todas claramente substituídas por preocupações pandêmicas.

Riscos Brasil

O Brasil é o único país da América Latina em que o risco cibernético está em primeiro lugar, superando inclusive o risco de pandemia. Dos 59 executivos participantes 47% responderam ter as ameaças cibernéticas como principal preocupação atualmente, 46% afirmam que são os riscos de interrupção de negócios (BI) e 29% a pandemia.

Nos últimos anos, o risco cibernético tem aparecido entre os principais riscos corporativos – em 2019, esteve em 2º lugar, atrás apenas do risco de interrupção de negócios – mas com a pandemia ele se intensificou. Segundo dados da Fortinet Threat Intelligence Insider Latin America, o Brasil foi alvo de mais de 3,4 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos entre janeiro e setembro de 2020. “Os riscos cibernéticos são uma preocupação frequente dos gestores de riscos e com as novas legislações relacionadas à proteção de dados e as mudanças nos formatos de trabalho, as empresas estão cada vez mais voltadas para a questão cibernética. O risco de pandemia, que no Brasil nem aparecia entre os 20 maiores no ano passado no Brasil, está agora na terceira posição, porém diretamente conectado aos dois primeiros colocados”, explica Nuno Antunes, Managing Director AGCS Ibero/Latam.

Pandemia: agora e no futuro

Antes do surto de Covid-19, os lucros cessantes (BI) já haviam ocupado o topo da pesquisa outras sete vezes e voltaram ao primeiro posto do ranking após serem substituídos por incidentes cibernéticos em 2020. A pandemia mostra que eventos extremos de BI em escala global não são apenas teóricos, mas uma possibilidade real, causando perda de receitas e interrupção na produção, operações e cadeias de abastecimento. 59% dos entrevistados destacam a pandemia como a principal causa de BI em 2021, seguida por incidentes cibernéticos (46%) e catástrofes naturais e incêndios e explosões (cerca de 30% cada).

A pandemia está se somando à crescente lista de cenários de BI com danos não-físicos, tais como apagões cibernéticos ou de energia. “As conseqüências da pandemia – digitalização mais ampla, aumento do trabalho remoto e a crescente dependência da tecnologia por empresas e sociedades – provavelmente aumentarão os riscos de BI nos próximos anos”, explica Philip Beblo, especialista da equipe global de subscritores de Property da AGCS. “Entretanto, os riscos físicos tradicionais não desaparecerão e devem permanecer na agenda da gestão de riscos. Catástrofes naturais, clima extremo ou incêndios continuam sendo as principais causas de interrupção de negócios para muitas indústrias e continuamos a ver uma tendência para grandes perdas ao longo do tempo. ”

Em resposta ao aumento das vulnerabilidades de lucros cessantes, muitas empresas estão objetivando construir operações mais resilientes e diminuir os riscos em suas cadeias de abastecimento. De acordo com os entrevistados do Allianz Risk Barometer, melhorar a gestão da continuidade dos negócios é a principal ação das empresas (62%), seguida pelo desenvolvimento de fornecedores alternativos ou múltiplos (45%), investir em cadeias de abastecimento digitais (32%) e melhorar a seleção e auditoria de fornecedores (31%). De acordo com os especialistas da AGCS, muitas empresas encontraram seus planos onde foram esmagadas rapidamente pelo ritmo da pandemia. O planejamento da continuidade dos negócios precisa tornar-se mais holístico, multifuncional e dinâmico, com monitoramento e medição de cenários emergentes ou de perdas extremas, ser constantemente atualizado, testado e incorporado na estratégia de uma organização.

Os riscos cibernéticos se intensificam

Os incidentes cibernéticos podem ter caído para o terceiro lugar, mas continuam sendo um perigo-chave com mais respondentes do que em 2020, e ainda assim estão classificados como os três primeiros em muitos países, incluindo Brasil, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, África do Sul, Espanha, Reino Unido e EUA. A aceleração em direção a uma maior digitalização e trabalho remoto impulsionados pela pandemia também está intensificando ainda mais as vulnerabilidades de TI. No pico da primeira onda de lockdowns em abril de 2020, o FBI relatou um aumento de 300% apenas nos incidentes, enquanto estima-se agora que o crime cibernético tenha custado à economia global mais de US$1 trilhão, 50% a mais que há dois anos. Já frequentes, os incidentes de ransomware estão se tornando mais prejudiciais, visando cada vez mais as grandes empresas com ataques sofisticados e grandes demandas de extorsão, conforme destacado no recente relatório de tendências de risco cibernético da AGCS.

“A Covid-19 mostrou a rapidez com que os cibercriminosos são capazes de se adaptar e como a onda de digitalização impulsionada pela pandemia criou oportunidades para intrusões com novos cenários de perda cibernética”, diz Catharina Richter, Diretora Global do Allianz Cyber Center of Competence na AGCS. “Os invasores estão inovando usando escaneamento automatizado para identificar falhas de segurança, atacando roteadores mal protegidos ou mesmo usando ‘deepfakes’ – conteúdo de mídia realista modificado ou falsificado pela inteligência artificial. Ao mesmo tempo, a regulamentação de proteção e privacidade de dados e as multas por violações de dados continuam sua tendência ascendente”.

Sobe e desce

As evoluções do mercado alcançaram o número 4 na pesquisa deste ano, enquanto a Covid-19 provavelmente desencadeará um período de inovação e disrupção do mercado, acelerando a adoção de tecnologias, levando a mudanças regulatórias, além de apressar o desaparecimento de operadores históricos e setores tradicionais, dando origem a novos concorrentes. Os desenvolvimentos macroeconômicos ficaram em 8º lugar e os riscos políticos e a violência (número 10) retornam ao top 10 pela primeira vez desde 2018, refletindo o fato de que a agitação civil, protestos e tumultos agora desafiam o terrorismo como a principal exposição para as empresas. O número, a escala e a duração de muitos eventos recentes, incluindo protestos Black Lives Matter, manifestações anti-lockdown e os tumultos em torno das eleições presidenciais americanas, têm sido excepcionais. Como as conseqüências socioeconômicas da Covid-19 aumentam, é provável que haja mais agitação política e social, com muitos países esperando um aumento nesta atividade em 2021 e além, particularmente na Europa e nas Américas.

As mudanças na legislação e regulamentação caem de 3º para 5º lugar, ano a ano. “A pandemia pode ter causado alguns atrasos no trem regulador, mas ele não parou nem mesmo descarrilou. Muito pelo contrário, 2021 promete tornar-se um ano muito cheio em termos de novas legislações e regulamentações, particularmente nas áreas de dados e sustentabilidade”, prevê Ludovic Subran, Economista Chefe da Allianz. As catástrofes naturais desceram duas posições e agora estão em 6º, refletindo o fato de que embora as perdas agregadas de múltiplos eventos menores, tais como incêndios ou tornados, ainda levaram a uma devastação generalizada e perdas consideráveis seguradas em 2020, foi também o terceiro ano consecutivo sem um único grande evento, como o Furacão Harvey em 2017.

As mudanças climáticas também caíram e assumiram a nona posição. Entretanto, a necessidade de combater a mudança climática permanece tão alta como sempre, dado que 2020 foi o ano mais quente já registrado. “Com a campanha de vacinação entrando em vigor, a mudança climática precisa estar de volta à agenda dos conselhos das empresas como prioridade em 2021”, diz Michael Bruch, Diretor Global da ESG na AGCS. “Muitas empresas precisam ajustar seus negócios para um mundo de baixo carbono – e os gestores de risco precisam estar na vanguarda desta transição”.

O estudo completo está disponível no link.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta