mag

A Porto Seguro divulgou hoje os resultados do terceiro trimestre de 2020 com aumento de lucratividade e de receitas devido à evolução do resultado operacional e da resiliência das carteiras de Seguros e de Negócios Financeiros e Serviços, que cresceram mesmo diante da crise. A recuperação dos seguros Auto e Patrimoniais e o aumento em duplo dígito nos prêmios do Saúde impulsionaram os prêmios de seguros, que cresceram 4,6% no trimestre (vs. 3T19).

Celso Damadi

O desempenho do Auto, que apresentou expansão de 20,4% em relação ao 2T20 e de 0,8% em comparação ao mesmo período do ano anterior, é explicado pela manutenção dos índices de renovação em patamares elevados e pelo aumento das vendas novas, levando a um acréscimo de 87 mil veículos na frota segurada em relação ao 2T20. “Esse índice foi registrado graças ao processo de subscrição e renovação de apólices que passou a considerar a menor mobilidade dos clientes, o que acaba gerando queda na precificação do seguro. 66% da frota brasileira circula pelas ruas sem seguro. Com preços mais acessíveis, a ajuda do corretor de seguros e produtos que se adequem a realidade do consumidor iremos conseguir trazer mais pessoas para a carteira”, diz Celso Damadi, vice-presidente Financeiro, de Controladoria, Investimentos e Relações com Investidores da companhia.

No Saúde, os prêmios evoluíram 12,0% (vs. 3T19), com incremento de 3,1% no número de vidas seguradas, enquanto o Patrimonial obteve uma alta de 7,6% em comparação ao mesmo período do ano anterior, impulsionado pelo crescimento dos seguros residenciais. O seguro de Vida, por sua vez, cresceu 0,5% (vs. 3T19), com desempenho favorável no segmento de Vida Individual, mas queda nos prêmios dos seguros de Viagem e Massificados, ainda refletindo os efeitos da pandemia sobre as vendas.

O índice combinado de seguros atingiu 87,9% no trimestre (-6,0 p.p. vs. 3T19). A exemplo do segundo trimestre, a melhora foi decorrente principalmente pela diminuição na sinistralidade do Auto (-11,2 p.p. vs. 3T19) e do Saúde (-6,1 p.p. vs. 3T19), este último fruto principalmente do decréscimo dos procedimentos eletivos realizados no período. O recuo no índice consolidado de despesas administrativas e operacionais (-0,5 p.p. vs. 3T19) também contribuiu com o aumento do resultado, reflexo dos esforços realizados através de investimentos em tecnologia e aperfeiçoamento de processos para ganhos de eficiência operacional. “Nos últimos 5 anos investimos mais de R$ 1 bilhão em tecnologia. Com a digitalização dos processos na seguradora, temos percebido um enorme ganho de produtividade. Reduzimos os gastos com envio de papéis pelo Correios e despesas bancárias, implementamos novas ferramentas para desburocratizar e agilizar o atendimento ao cliente etc. A pandemia foi muito positiva nesse sentido, pois nos fez enxergar onde podemos evoluir e inserir de maneira efetiva a inovação no nosso dia a dia”, afirma Damadi.

Nos Negócios Financeiros e Serviços, as receitas trimestrais aumentaram 9,8% (vs. 3T19), impulsionadas pelo Consórcio (+27,5% vs. 3T19) e pelas Operações de Crédito (+4,4% vs. 3T19), com aumento de 16,3% no número de Cartões de Crédito totais no portfólio (vs. 3T19), que alcançou 2,5 milhões de unidades ao final do trimestre. O gerenciamento eficaz da carteira e as ações para mitigação do risco contribuíram para a redução da inadimplência (NPL +90 dias), que atingiu 5,2% ao final do 3T20, apresentando melhora tanto em relação ao 2T20 (-0,9 p.p.) quanto em comparação com o 3T19 (-0,2 p.p.).

O lucro líquido atingiu R$ 401,5 milhões no trimestre (+19,8% vs. 3T19) e R$ 1.286,6 milhões no acumulado do ano (+26,7% vs. 9M19), resultando num ROAE3 de 20,3% no 3º trimestre deste ano e de 22,0% nos nove meses de 2020. Excluindo o efeito do excesso de capital e considerando uma remuneração de 100% do CDI para os investimentos, a rentabilidade anualizada sobre o patrimônio seria de 27,6% no trimestre e de 26,8% nos primeiros 9 meses deste ano. “Todos esses índices estão acima do que estávamos esperando. No início da quarentena não sabíamos como o mercado iria reagir, mas a companhia vem entregando resultados consistentes ao logo dos anos, e os investimentos que realizamos foram fundamental para esse ótimo desempenho mesmo durante a crise”, diz o executivo.

O resultado financeiro, que apresentou rentabilidade de 245% do CDI no 3T20 (vs. 175% do CDI no 3T19) e de 305% do CDI nos nove meses no ano (vs. 164% do CDI no 9M19), recuou 50,4% no 3T20 (vs. 3T19), explicado principalmente pela queda da taxa de juros. Ainda assim, a rentabilidade da carteira (excluindo previdência) superou o benchmark, favorecida pelo desempenho das alocações em títulos indexados a inflação, obtendo um retorno de 1,26% no trimestre e de 6,96% nos nove meses do ano.

No trimestre a empresa comunicou o desligamento de suas controladas do Consórcio DPVAT, com efeitos em 31 de dezembro de 2020. A Empresa esclarece ainda que, por consequência dos desligamentos, as ações da Seguradora Líder detidas pelas Seguradoras da Porto Seguro serão alienadas nos termos previstos no Acordo de Acionistas da Seguradora Líder.

Em relação às iniciativas Ambiental, Social e Governança (ASG) da seguradora, neste trimestre destacam-se a entrada em operação do primeiro guincho elétrico do Brasil, o lançamento do consórcio sustentável para aquisição de placas de energia solar para residências e empresas, e a geração de mais de dois mil postos de trabalho temporário, por meio do programa Meu Porto Seguro, voltado para pessoas que perderam seus empregos durante a pandemia e que já estão sendo treinadas e capacitadas para voltarem ao mercado de trabalho, oferecendo qualificação e independência. “A companhia já vem investindo nesse tipo de iniciativas há muito tempo, a pandemia só trouxe ainda mais sensibilidade para o assunto. Atualmente é mais que necessário que organizações apoiem ações como essas, pois só assim iremos tornar o mundo um lugar melhor: dando oportunidade para aqueles que precisam. É uma questão de consciência social”, afirma Damadi.

A empresa segue focada no aprimoramento de seu modelo de negócios e no desenvolvimento de iniciativas que permitam explorar as diversas oportunidades que o mercado oferece. “Tivemos um resultado muito importante nesse trimestre, com crescimento em diversas linhas de negócio. Mesmo com tantas incertezas pela frente, a nossa expectativa é de continuar crescendo e conquistando cada vez mais espaço no mercado. Iremos focar na diversificação dos produtos, que serão cada vez mais elaborados para oferecer coberturas alinhadas à fase da vida de cada cliente. Para isso, é fundamental que o corretor continue demonstrando sua importância e efetuando seu papel de consultor no momento em que é procurado pelo consumidor”, ressalta o executivo.

Nicole Fraga
Revista Apólice

* com informações da assessoria de imprensa

Deixe uma resposta