EXCLUSIVO – A Fenaprevi – Federação Nacional de Previdência Privada e Vida – e o Instituto de Longevidade Mongeral Aegon assinaram um parceria para a divulgação e a elaboração de trabalhos com o objetivo de aumentar o difusão de conhecimento sobre formas de financiamento da longevidade.

Henrique Noya, diretor executivo do Instituto da Longevidade Mongeral
Henrique Noya

Parcerias podem gerar estudos mais profundos sobre o setor, gerando conhecimento para a sociedade e para as empresas que atuam no setor. “O Instituto de Longevidade da Mongeral Aegon é portador da causa de sustentabilidade e promoção da qualidade de vida na longevidade. Isso tem norteado as ações do grupo, colocando uma lente em tudo o que pensamos. É preciso ter funcionalidade por mais tempo para quem está envelhecendo”, conta Henrique Noya, diretor executivo do Instituto.

Saúde financeira, cidades, saúde, trabalho e comportamento são cinco pilares próprios do Instituto e nesta parceria com a Fenaprevi o foco é a longevidade financeira, onde haverá conteúdos de educação financeira, com um conjunto de ações para planejar melhor o uso e reserva para a longevidade.

Noya conta que um subconjunto desta parceria é a educação previdenciária, a formação de poupança de longo prazo para entender a realidade previdenciária no pais, para poder oferecer a toda a sociedade um bom direcionador de como a pessoa vê a longevidade e como ela pode usar as informações e o conhecimento para o preparo para o envelhecimento.

Carlos De Paula, diretor executivo da Fenaprevi
Carlos De Paula

Carlos de Paula, diretor executivo da Fenaprevi, diz esta parceria deve render frutos ligados à produção de conteúdo  e divulgação de matérias exclusivas, além de eventos para educação financeira e previdenciária, com promoção de informação, oferta de simuladores e orientação para as pessoas que queiram conhecer e fazer as melhores escolhas dentro destes campos.

Esta parceria faz parte do novo posicionamento da Fenaprevi, que já anunciou também um trabalho conjunto com a Abrapp – Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. “Outro capítulo importante é a difusão do conhecimento, pois ainda estamos aquém do necessário para o desenvolvimento da cultura previdenciária vários níveis da sociedade. É preciso fazer chegar estas informações para a sociedade”, sentencia De Paula.

Dentro deste reposicionamento da Fenaprevi está o seu esforço para ganhar relevância na geração de estudos e pesquisas dentro de sua área de conhecimento, com informações que já estão em seus quadros. “Somos a maior entidade representativa do setor de toda a América Latina, queremos ocupar um lugar de influenciadores da sociedade em suas várias esferas, seja a política, jurídica ou civil”.

Kelly Lubiato
Revista Apólice

Deixe uma resposta