A Susep divulgou a  síntese dos principais dados relativos ao desempenho do setor de seguros até agosto de 2020. As informações foram obtidas a partir dos dados encaminhados pelas companhias supervisionadas. O documento é atualizado de acordo com o envio pelas empresas, podendo haver ajustes em função de recargas do Formulário de Informações Periódicas (FIP).

As receitas dos segmentos supervisionados pela entidade totalizaram R$ 25,61 bilhões em agosto de 2020. Apesar da queda nas receitas em relação a julho de 2020, que foram de R$ 26,68 bilhões, destaca-se o melhor desempenho do setor, em todos os segmentos, em relação a agosto de 2019.

No acumulado do ano, os seguros de pessoas apresentam alta de 1,2% em relação a 2019, havendo um crescimento real do segmento, considerado o IPCA no mesmo período. Já no acumulado de todo o setor há uma queda de apenas 1,7%, se comparado com mesmo período do ano anterior. Em julho, a baixa era de 3,0%.

Nos seguros de pessoas e danos os prêmios diretos totalizaram R$ 10,7 bilhões em agosto de 2020. No acumulado do ano são R$ 79,66 bilhões, contra R$ 79,46 bilhões no mesmo período de 2019.

O segmento de seguros de pessoas apresentou um total de prêmios acumulados de R$ 28,88 bilhões até agosto, um crescimento de 1,2% em relação ao mesmo período de
2019 (vide Tabela 1), o que representa um crescimento real de 0,5%, considerando a inflação medida pelo IPCA.

Nos seguros de danos, destacam-se os seguros associados a grandes riscos, com alguns segmentos apresentando alta, no acumulado até agosto, de mais de 25% em relação ao
mesmo período de 2019. Seguros de grandes riscos apresentou crescimento de 42,1%, seguros marítimos e aeronáuticos 39,6%, e seguro rural 27,7% no acumulado até agosto de 2020.

As receitas do segmento de seguros já apresentam alta de 0,2% no acumulado até agosto, quando comparado com o mesmo período de 2019. Os destaques são os seguros de pessoas, com alta de 1,2%, e os seguros de danos, cuja alta é de 3,9%, quando desconsideradas as receitas de seguro auto. Este crescimento no acumulado dos seguros de danos, excluindo auto, representa um aumento real de 3,2%, considerando o IPCA
no mesmo período.

Garantia Estendida: alta de 14,4% em comparação ao mês de julho de 2020. Como pode ser visto no Gráfico 2, o segmento vem apresentando crescimento desde o mês de junho: 80,4% em junho, 28,8% em julho e 14,4% em agosto. Apesar da recuperação, o
segmento ainda apresenta, no acumulado até agosto, uma queda de 19,1% em relação ao mesmo período de 2019.

Microsseguros: crescimento de 21,1% em relação a julho de 2020. O Gráfico 3 demonstra a recuperação do segmento, com seguidas altas nos últimos meses: 70,1% em junho, 9,7% em julho, 21,1% em agosto. Mesmo com a recuperação, ainda há uma queda de 22,7% no acumulado até agosto, quando comparado ao mesmo período no ano passado.

Nos produtos de acumulação, observa-se uma redução de 3,3% na receita, em comparação a julho de 2020. No entanto, quando comparado com agosto de 2019, o
segmento apresentou um aumento de 9,2%. Ainda há uma queda de 3,1% nas contribuições no acumulado até agosto, quando comparado com o ano passado. Em julho, a queda era de 5,1%.

PGBL: verifica-se para o PGBL, em 2020, um crescimento de 0,9% no acumulado até agosto, em relação ao mesmo período de 2019.

VGBL e Previdência Tradicional: no acumulado das receitas, até agosto 2020, observa-se uma diminuição de 3,0% no VGBL e 13,8% na Previdência Tradicional, em comparação ao mesmo período de 2019. Apesar da queda, os produtos vêm apresentando recuperação – em julho, a diferença era, respectivamente, de 5,3% e 14,9%.

A publicação completa está disponível no link.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta