EXCLUSIVO – Para continuar comemorando seus 25 anos de história, a Revista Apólice realizou ontem, 31 de agosto, mais um painel do evento “Diálogos Apólice”. A editora da Revista, Kelly Lubiato, conversou em uma transmissão ao vivo com Bruno Porte, diretor de TI e Operações da Argo Seguros, e Gilmar Pires, diretor executivo da Azul Seguros. Desta vez, o assunto foi seguro de automóvel e os executivos discutiram sobre mobilidade e os novos modelos de apólice.

Segundo uma pesquisa feita pela LMC Automotive, as previsões para compra de carros neste ano eram altas, mas foram impactadas com a chegada da crise do coronavírus. Dados obtidos pela empresa apontam o Brasil como o País que sofrerá a maior redução no número de vendas de veículos, com diminuição de até 40% em 2020 e 15% em 2021. Por conta disso, as seguradoras estão tendo de se reinventar e adaptar produtos.

Recentemente a Argo lançou o Instant, um seguro no qual o motorista pode acioná-lo antes de pegar a estrada e contratá-lo por apenas 24 horas, funcionando na modalidade ‘Pay Per Use’ (Pague Pelo Uso). Segundo Porte, “o mercado está passando por transformações e mais importante que testar o produto, é testar o seu conceito. Lançamos esse seguro com o objetivo de entender melhor a penetração da modalidade intermitente e acreditamos que há um grande potencial nessa categoria, visto que depois dessa pandemia muitas pessoas buscarão alternativas ao invés de adquirir uma apólice tradicional”.

De acordo com dados da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais (CNseg), apenas 30% dos carros que circulam no Brasil contam com seguro. Para Pires, é dever das companhias criar soluções para proteger a frota que está envelhecendo e oferecer preços mais acessíveis para que uma maior parte da população possa adquirir uma apólice. “O nosso mercado acompanha muito o desempenho das montadoras. Com a queda na venda de veículos novos nos últimos anos, devemos pensar em seguros que atendam uma maior parte da população e ofereça serviços diferenciados para atrair o consumidor”.

Uma pesquisa feita pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) em 2019 mostra que 70% dos jovens ainda têm o desejo de adquirir um veículo. Entretanto, com o efeito causado pela crise da covid-19, Porte acredita que isto pode mudar e que haverá uma descentralização das grandes cidades, além das pessoas usando menos o carro por conta do regime home-office. “Este momento que estamos vivendo está sendo perfeito para disseminar a cultura do seguro. A gente vem passando por um processo de transição comportamental ao longo dos últimos anos, e este período de pandemia fez com que as seguradoras entendessem melhor as demandas do setor”.

Pires completou afirmando que também é obrigação das empresas do mercado proporcionar uma boa comunicação dos produtos, visando que o público compreenda melhor a função do seguro. Além disso, o executivo disse que investir em tecnologia é fundamental para oferecer uma melhor jornada ao cliente. “As pessoas querem boas experiências independentemente do serviço que estão utilizando. Para trazer uma jornada mais interessante para o segurado, é importante também capacitar os corretores para que eles entendam todas as necessidades do cliente e ofereçam a apólice mais adequada para o estilo de vida daquela pessoa”.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta