O faturamento do mercado de títulos de capitalização ultrapassou, no mês de julho, os valores de arrecadação observados no período pré-pandemia, o que corrobora para o posicionamento do setor de que o pior já passou. “Avaliando a série histórica, a inflexão ocorreu no mês de abril e, a partir daí, retomamos uma tendência de crescimento da casa de dois dígitos, vividos em 2019”, afirma o presidente da Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), Marcelo Farinha.

As reservas do mercado de Títulos de Capitalização atingiram R$ 31,3 bilhões entre janeiro e julho de 2020, demonstrando a resiliência do segmento. Esse montante, constituído pelos recursos de clientes com títulos de capitalização ativos, cresceu 2,6% em relação ao mesmo período do ano passado, mantendo-se em patamar de estabilidade. Segundo Farinha, “as informações sobre o desempenho do mercado, divulgadas pela entidade, mostram uma tendência da sociedade de busca por ativos seguros em tempos de crise”.

Sorteios em alta

O mercado de Capitalização segue contribuindo para a realização dos sonhos dos brasileiros: entre janeiro e julho, foram distribuídos R$ 565,3 milhões em prêmios a clientes que tiveram títulos sorteados, o que equivale ao pagamento R$ 3,8 milhões por dia útil.

Soluções sob medida

Com soluções cada vez mais aderentes às necessidades dos consumidores, o mercado de Títulos de Capitalização oferece seis modalidades de produtos, incluindo as criadas em 2019: Instrumento de Garantia e Filantropia Premiável, que, apesar de recentes, já respondem por 18% do faturamento do segmento.

A primeira garante contratos de qualquer espécie, inclusive nos casos de aluguel de imóveis residenciais e corporativos. Já a modalidade Filantropia Premiável é indicada para quem quer se engajar em causas sociais. Em qualquer uma delas, o cliente sempre concorre a prêmios. A arrecadação do Instrumento de Garantia atingiu R$ 1,5 bilhão, em sete meses, enquanto o Filantropia Premiável arrecadou R$ 865 milhões e repassou R$ 392 milhões para instituições filantrópicas parceiras.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta