A considerar o aumento de casos do novo coronavírus e a alta demanda de pacientes que procuram o sistema de saúde público e privado, a Unimed Grande Florianópolis se uniu à startup de inteligência artificial LAURA para oferecer às prefeituras da região uma ferramenta capaz de prever a demanda por atendimento a pessoas suspeitas de infecção pela covid-19.

A solução se chama P.A. Digital e motivou a cooperativa médica a disponibilizá-la na forma de parceria aos 17 municípios que fazem parte de sua área de abrangência. As quatro maiores cidades da região, que se mobilizaram para frear juntas o aumento de casos de covid-19, são Florianópolis, São José, Palhoça e Biguaçu, e foram apresentadas à solução, visando viabilizar a parceria também para Águas Mornas, Alfredo Wagner, Angelina, Anitápolis, Antônio Carlos, Garopaba, Governador Celso Ramos, Paulo Lopes, São Pedro de Alcântara, Santo Amaro da Imperatriz, São Bonifácio, Rancho Queimado e Tijucas.

A partir de uma plataforma totalmente online, acessível por celular, tablet ou computador, moradores da cidade poderão tirar dúvidas sobre o coronavírus e passar por uma triagem virtual pela prefeitura, de acordo com os critérios estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS), sem a necessidade de se deslocar até o hospital.

Desenvolvida pela startup com sede em Curitiba, o serviço também permite prever com antecipação a demanda por covid-19 e os testes a serem realizados, de modo a identificar quantos e quais pacientes estão a caminho de hospitais para o atendimento e se há sinais de gravidade relatados. “A pandemia trouxe uma grande necessidade de digitalização aos serviços de saúde. Com o P.A Digital, a população pode ter acesso aos serviços de atenção primária à saúde, avaliando sintomas do novo coronavírus sem sair de casa”, afirma o CEO da startup, Cristian Rocha. Todos os dados inseridos no sistema serão de propriedade dos municípios, permitindo-lhes pelas informações obtidas trabalhar com planejamento e otimização de recursos, enquanto a população é atendida de forma segura, sem sair de casa.

Como funciona

Pelo site ou número de telefone a ser disponibilizado pela prefeitura, os moradores serão atendidos por uma assistente virtual e responderão a um questionário para triagem de casos. Com artifícios da tecnologia cognitiva e processamento de linguagem natural, os moradores identificados com sintomas do novo coronavírus serão encaminhados às unidade de atendimento hospitalar do município. Na outra ponta, a equipe que faz a gestão dos casos conseguirá mapear por uma plataforma de previsão os pacientes monitorados, a evolução de cada quadro e quais precisarão receber atendimento com prioridade.

Para as situações classificadas como não críticas, o morador receberá por mensagem via telefone orientações de prevenção e acompanhamento do quadro de saúde pelos 14 dias seguintes, até ser descartada a infecção pelo coronavírus ou identificada a necessidade de atendimento médico. “Tudo o que estiver ao alcance para somar forças às equipes de saúde na pandemia é bem-vindo. Tecnologias como essa, de alta performance, dão respostas rápidas, ajudam nas tomadas de decisões e, principalmente, protegem vidas”, ressalta o presidente da cooperativa médica, Dr. Théo Fernando Bub.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta