ATUALIZADO ÀS 09:05 DO DIA 10/08/2020

EXCLUSIVO – Após a imensa explosão que atingiu o porto em Beirute na dia 4 de agosto ainda são incertas as perdas humanas. No dia 9 de agosto, as autoridades estimavam 150 mortos e mais de 6 mil feridos, sem contar os desaparecidos. A explosão devastou bairros inteiros e deixou mais de 300 mil pessoas desabrigadas. A agência AM Best afirma que o incidente está sob investigação, por isso, é cedo para uma avaliação das perdas seguradas, mas acrescenta que está em contato com as seguradoras presentes no mercado, monitorando a situação.

O que se sabe é que a explosão devastou boa parte da zona periférica do porto de Beirute, uma área densamente habitada, e as estimativas dos estragos já subiram de 3000 milhões a 5000 milhões de dólares inicialmente adiantados pelas autoridades, para mais de 10 mil milhões de dólares, assumiu o governador da cidade, Marwan Abboud, citado na imprensa.

Efeito da tragédia nos seguros é ainda “incerto”

Enquanto prosseguiam operações para encontrar sobreviventes sob amontoados de escombros, a estimativa de perdas materiais cresceu e, na perspetiva de danos eventualmente cobertos por seguros, a AM Best, assume que o efeito da tragédia sobre a indústria local de seguros é, por agora, “incerto”.

De acordo com Alexandre Jardim, diretor de Property & Casualty da Aon Brasil, algumas modalidades de seguro podem prover a proteção aos portos em situações como a ocorrida no Líbano. Dentre as modalidade de seguro, o executivo destacou o RC Operador Portuário, o qual é especifico para a operação de Portos. Existe também a possibilidade de contratação de apólices de Riscos Patrimoniais.

“Fazendo uma analogia ao Brasil, pois cada país possui sua própria legislação, inicialmente a responsabilidade tende a ser do porto em questão, o qual responde pela operação do mesmo e pela guarda dos bens que lá estão. Adicionalmente, outras figuras jurídicas podem também vir a ser envolvidas nesta responsabilidade, como o proprietário da mercadoria e eventuais empresas terceiras que podem se envolver com situações como essa. Este tipo de situação envolve uma análise mais profunda das relações de responsabilidade entre as partes envolvidas, assunto este de cunho jurídico” diz Jardim.

Segundo Rogério Lopes, diretor de sinistros da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) na América do Sul, é de suma importância que as empresas façam uma boa gestão de riscos pensando no tipo de proteção mais adequado a sua necessidade. “Como gestores, sabemos que muitos acidentes podem ser evitados, ou ter suas consequências minimizadas, tomando-se as devidas medidas preventivas. Consultores especialistas podem mapear essas falhas na segurança e oferecer sugestões de medidas a serem tomadas para mitigação ou até mesmo eliminação de riscos e perdas”.

A causa da explosão que abalou Beirute, que resultou em muitas vítimas e danos consideráveis, ainda está sob investigação. À medida que a situação se desenrola, o efeito provável no mercado de seguros local permanece incerto nesta fase.

As taxas de penetração do seguro no Líbano geralmente são baixas e o seguro de propriedade representa apenas uma pequena fração da indústria de seguros libanesa, que é dominada por três segmentos: vida, saúde e automóvel. Com base nos últimos dados disponíveis, juntos esses segmentos foram responsáveis ​​por quase 85% do prêmio bruto subscrito do Líbano (GWP) em 2018.

SAIBA MAIS: Explosão em pequenos estabelecimentos e as coberturas indicadas

No entanto, o seguro de propriedade tem sido uma linha em crescimento – respondendo por 6% do GWP total em 2018 – à medida que as seguradoras alavancaram seus relacionamentos com os segurados para compensar os negócios de automóveis com desempenho mais fraco, vendendo produtos mais lucrativos. Dada a extensão dos danos em uma das áreas mais movimentadas e ricas do país, a AM Best reconhece que o incidente pesará no já desafiado setor de seguros do Líbano.

Em um relatório de segmento de mercado da Best intitulado “Mercado de seguros libanês enfrenta incertezas crescentes” publicado em março de 2020, a AM Best observou que a agitação civil e uma dívida pública crescente aumentaram o nível de incerteza econômica, impactando negativamente a qualidade de crédito do mercado de seguros do Líbano.

A AM Best mantém contato próximo com as empresas que avalia no Líbano, avaliando continuamente como estão navegando em seu ambiente operacional cada vez mais difícil. Para acessar a cópia completa do Relatório de segmento de mercado do Líbano, acesse aqui.

Para o mercado internacional, espera-se que os ramos de negócios navais e imobiliários sejam impactados. Alguns observadores estão fazendo comparações com a explosão de 2015 no porto chinês de Tianjin, que destacou as exposições de acumulação em portos para seguradoras e resseguradoras internacionais, e causou grandes perdas para as principais transportadoras globais.

Kelly Lubiato
Revista Apólice

Deixe uma resposta