ATUALIZADO DIA 03/07/2020 ÀS 10:58

EXCLUSIVO – A Superintendência de Seguros Privados apresentou um relatório sobre o mercado de seguros. Os dados demonstram que no segmento de seguro de pessoas não houve variação significativa no índice de sinistralidade nos meses de abril e maio de 2020, que oscila em torno de 30% nos últimos meses.

Em seguro de automóveis, no mesmo período, foi observada uma queda de no índice de 60% (que vinha estável nos últimos dois anos) para 44% nos meses de abril e maio.

No quinto mês deste ano, as receitas dos mercados supervisionados pela entidade totalizaram R$ 17,35 bilhões e, no acumulado do ano, sofreram uma queda de 6,7% em relação ao mesmo período de 2019. Apesar da queda de 23,2% nos valores em relação ao mesmo período no ano passado, percebe-se uma recuperação frente ao mês de abril de 2020, com um crescimento de 10,1%, atribuído aos setores de acumulação e capitalização.

Nos seguros, os prêmios diretos totalizaram R$ 8,55 bilhões em maio de 2020, e, no acumulado do ano, houve queda de 3% em relação ao mesmo período de 2019. Já os seguros rural e de grandes riscos tiveram uma considerável alta, respectivamente 28,3% e 27,0%, no acumulado deste ano em relação ao ano anterior.

Parte do Estudo realizado pela Susep

Nos produtos de acumulação, observa-se uma queda de 10,3% nas contribuições no acumulado do ano, até maio, quando comparado com o mesmo período de 2019. Enquanto a receita bruta dos produtos de acumulação ficou em R$ 7,1 bilhões no quinto mês de 2020, a captação líquida (contribuições – resgates) foi de R$ 1,8 bilhão, apresentando uma recuperação em relação a abril, quando ficou negativa em R$ 1,3 bilhão.

Podemos verificar que houve nos últimos meses,,um movimento significativo de aumento de resgates, natural destes tipos de produtos que proporcionam maior liquidez durante um período de crise.

O trabalho é uma iniciativa da autarquia com o objetivo de colaborar com o mercado, fornecendo dados compilados sobre o momento atual, dentro do programa de interno de modernização do órgão fiscalizador.

Kelly Lubiato
Revista Apólice

Deixe uma resposta