Mesmo antes da pandemia, a necessidade de ser um profissional ativo na internet já havia se mostrado nos mais diversos cenários. Visto que a maneira de consumir está em mudança constante, o corretor que apenas
aguarda uma indicação, que envia e-mails ou faz ligações para sua carteira de clientes para vender outros produtos já não tem mais espaço.

Atualmente os clientes pesquisam por seguros no Google, analisam a reputação no Reclame Aqui, fazem cotação online através de seus bancos ou grandes corretoras que já utilizam sistemas integrados a seu site, pagam o seguro com seus cartões de bancos digitais, utilizam aplicativos para gerenciar suas apólices e vencimentos entre outras coisas.

Leandro Silva

O corretor que não acompanhou o mínimo da evolução das redes sociais, aplicativos e tendências do mercado digital, hoje se vê na difícil situação de não saber por onde começar.

Trocar as visitas por chamadas de vídeo, os brindes institucionais por Gift Cards. Essas são tendências que vêm marcando o cenário atual. Porém, como jogar esse jogo sem saber se quer criar um cartão de visitas interativo para enviar pelo Whatsapp? Sem fazer ideia do que é tráfego pago, Facebook ADS, Google ADS, Leads, Lista de Transmissão, SEO e tudo mais que acompanha essa nova rotina na vida de qualquer profissional que vende pela internet.

Grandes empresas corretoras já se adaptaram à nova realidade. No entanto, o corretor de pequeno porte ainda precisa escolher entre atender as demandas do dia a dia ou aprender algo sobre internet e mídias sociais.

Quanto mais cedo o profissional se convencer de que precisa adquirir essas novas habilidades, mais cedo retorna ao jogo. As seguradoras, ainda muito timidamente, vêm acrescentando algo nesse sentido para auxiliar os corretores e é preciso estar atento, uma atitude positiva frente às mudanças que a vida nos trás pode mudar todo resultado.

* Por Leandro Silva, gestor de Benefícios e Marketing na Bruck Seguros.

3 COMENTÁRIOS

  1. Sou Corretor pessoa física e ao contrário do que foi comentado, tenho observado que os clientes tem a necessidade da presença do corretor e não responde a mídias sociais que incomodam demais o consumidor com tantas informações que deixam os clientes extremamente de “saco cheio”. Embora utilize as mídias sociais, faço questão de manter um contato direto e pessoal com meus clientes.

  2. Também sou Corretor e atendo de forma personalizada a meus Clientes. E com precisão. Sem encher o saco deles com os excessos que as mídias sociais fazem dando tiro para todo lado e não conseguindo atingir o mínimo necessário de objetividade. Excessos de ditas plataformas que pensam que podem sobreviver a custa do trabalho dos Corretores que prestam serviço sério.

  3. Prezado Eduardo,
    A meu ver o artigo refere-se a aquisição de clientes e não atendimento/pós venda.
    Hoje se você não está na internet, não está em lugar nenhum.
    O corretor precisa ser ativo se quiser ir para um próximo nível.

Deixe uma resposta