(FOTO: KayTaenzer/Thinkstock)

EXCLUSIVO – Até o momento, quase 50 mil pessoas faleceram por causa do novo coronavírus (covid-19) somente no Brasil, o que está fazendo com que muitas famílias tenham que arcar com despesas funerárias mesmo sem ter condições. Fora do ambiente de pandemia, a morte de um ente querido traz obstáculos complicados para quem nunca lidou com um problema desta magnitude e que já está emocionalmente abalado.

É muito comum que as pessoas não tenham um serviço de assistência funeral ou que não lembrem dele no momento de resolver as questões burocráticas. O seguro funeral, ou a assistência funeral acoplada a alguns outros produtos do setor, pode organizar este trâmite burocrático e acompanha o cliente na condução das providências para o funeral.

Diferente do auxílio funeral, onde só é feito o reembolso dos gastos, na assistência funeral a organização oferece assessoria para formalidades administrativas; organiza o sepultamento ou cremação; escolhe o caixão; coroa de flores; faz ornamentação da urna; monta mesa de condolências; transporta o corpo até o local onde será enterrado e cuida até mesmo do registro do óbito para a família.

Além disso, o benefício pode ser contratado junto com o seguro de vida ou com o seguro de acidentes pessoais. Segundo Edvânia Reis, gerente de Indenizações e Jurídico do PASI, “foi notada uma maior incidência dos avisos de sinistros de morte na carteira por causa da pandemia, no qual identificamos mais ocorrências vinculadas a morte natural”.

Para escolher o melhor plano de assistência funerária, é essencial observar alguns fatores que garantirão a prestação dos serviços contratados no momento da morte: se a empresa é 100% regulamentada de acordo com a Lei 13.261 de março de 2016, se ela tem a estrutura necessária para garantir o atendimento e qual cobertura está assegurada em contrato. Os valores de um serviço funerário variam de região para região e de acordo com a sua qualidade.

Helder Molina, CEO da MAG Seguros, afirma que “as pessoas mais conscientes são aquelas que vivenciaram ou perceberam o impacto financeiro causado pela morte do provedor da família. Acredito que vamos ter uma mudança de comportamento da população de uma sociedade que não se preocupa com o futuro para uma sociedade previdente, ou seja, aquela que se previne e toma as medidas necessárias antecipadamente. Isso inclui a assistência funeral”.

Podendo ser contratada a partir de R$30 por mês, para Edvânia a assistência pode ser considerada um microseguro, pois o segmento tem essa característica de um seguro de pequeno valor. “Portanto, é nessas horas que contar com essa proteção faz toda a diferença. Contrata-la significa ter um pouco mais de tranquilidade durante uma situação dolorosa e economia para o bolso da família”.

Contratar uma assistência funeral com uma seguradora pode ser mais vantajoso, pois os planos oferecidas por elas normalmente cobrem mortes em todo o país e até mesmo em território internacional, enquanto a maioria dos serviços das empresas de assistência cobrem apenas mortes locais.

Para Lígia de Oliveira Melo, administradora paulista de 35 anos, ter contado com o apoio da assistência fez toda diferença após ter recebido a notícia da perda da sua mãe. “Nesses momentos não temos condições psicológicas para tomar tantas decisões e lidar com burocracias, por isso agradeço a minha mãe por ter pensando no futuro. Se ela não tivesse contratado esse serviço, não sei se teria tido condições para oferecer a ela uma despedida digna”.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta