Em meio à crise gerada pela pandemia do novo coronavirus, a Seguros Sura acelerou o desenvolvimento de um modelo de negócio: o seguro sob demanda.

Mesmo antes da pandemia, a companhia já vinha estudando o comportamento do consumidor brasileiro. Buscando formas de oferecer a melhor experiência para um novo perfil de clientes, a seguradora traz para o mercado um modelo de negócios que oferece ao consumidor a possibilidade de comprar e fazer a gestão do produto de seguro a qualquer momento, de forma digital e flexível, e pelo tempo que precisar, por meio de canais de distribuição como instituições financeiras, bancos, empresas de varejo e plataformas digitais.

Para viabilizar este modelo e disponibilizá-lo para o mercado brasileiro, a empresa firmou uma parceria com a Trov, organização focada em tecnologia para o mercado de seguros e que tem expertise global em plataforma de seguros sob demanda. “Encontramos na Trov a expertise necessária e especializada para oferecer uma experiência diferenciada para o consumidor, com plataforma flexível, de fácil navegação e integração que nos permite pensar na escalabilidade do negócio”, afirma Thomas Batt, CEO da seguradora.

Outro ponto identificado pela Sura em pesquisas e observação do mercado, é que alguns consumidores de seguros têm a percepção de que a contratação convencional faz com que paguem por períodos que não necessitam. O seguro sob demanda atende exatamente a essa questão, pois permite a aquisição de uma cobertura temporária, contratada por um período que o cliente precisar, mais flexível e transparente para o consumidor. “Estamos trazendo para o mercado soluções que visam atender as necessidades de mobilidade e conectividade em que o cliente define o produto, as coberturas e limites que melhor atendam às suas necessidades, tudo de maneira 100% digital. Além disso, a plataforma permitirá o cliente passar pela experiência e conveniência de fazer o processo de sinistro digital”, diz Marcelo Biasoli, diretor de Estratégia Corporativa e Marketing da companhia

A contratação do seguro sob demanda poderá ser feita por meio de canais de distribuição, a partir de parcerias com instituições que sejam relevantes em seu mercado de atuação e possuam modelos de negócios escaláveis, como instituições financeiras, bancos digitais, plataformas digitais, empresas de varejo e outras. “Acreditamos neste modelo de distribuição pela experiência que temos na gestão destes canais e pela agilidade que trará para que o produto chegue ao consumidor, por meios que ele já está habituado a utilizar, com flexibilidade e conveniência”, diz Cristiano Saab, VP de Vendas, Canais e Subscrição da seguradora.

O modelo traz vantagens para os parceiros que têm oportunidade de ampliação de seus negócios e suas receitas. Uma startup de entregas, por exemplo, pode passar a oferecer seguro sob demanda para equipamentos eletrônicos, para uma bicicleta e diversos itens, tudo de acordo com o que for mais estratégico para o negócio. “Como a organização já tem expertise no desenvolvimento de soluções focadas em pessoas e empresas, a escolha do produto a ser segurado vai depender dos parceiros de negócio e das necessidades de seus clientes”, explica Saab.

A seguradora acredita que o seguro sob demanda impulsionará o desenvolvimento do mercado securitário no país. “Esse modelo vai atrair novos consumidores e contribuirá com o aumento da participação de seguros no PIB do Brasil, que hoje está no patamar de 4%. Além disso, gera oportunidade de negócios para o crescimento do mercado”, afirma Biasoli.
“Nós estamos animados com a parceria. Esperamos lançar muitas inovações em seguros na América Latina”, diz Scott Walchek, CEO da Trov.

A seguradora espera fechar parcerias com pelo menos três canais de distribuição nos próximos doze meses e quer atingir um mercado que ainda não consome seguros no Brasil.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta