Gabriel Nieto

EXCLUSIVO – A partir de hoje (7), a Tokio Marine no Japão passa a utilizar uma solução de Inteligência Artificial criada pela empresa de tecnologia Tractable, que utiliza a visão por computador para analisar fotografias de danos em veículos, compreendendo o seu significado como um humano faria, quase em tempo real. A seguradora vai utilizar a IA para avaliar a ampla diversidade de decisões de reparação disponíveis, incluindo os danos mecânicos, de pintura e concertos recomendados, bem como as horas de mão de obra necessárias.

De acordo com Gabriel Nieto, gerente de desenvolvimento de negócios Iberia,/Latam da Tractable, a tecnologia é treinada em muitos milhões de fotos, fazendo com que os algoritmos aprendam com a experiência, observando exemplos diferentes. “Estamos começando com danos automotores, pois muitos sinistros de automóveis acontecem no mundo inteiro. Nossa IA avalia os danos de qualquer carro, seja na América, Europa ou Ásia”.

Após o upload das fotos de um acidente de carro, a ferramenta é capaz de reconhecer quais peças foram danificadas e avaliar o quanto elas foram afetadas. Em seguida, ele pode recomendar decisões de reparo, com base em seu nível de confiança. O nível de confiança do sistema dependerá da visibilidade da peça, das condições da foto e da extensão da gravidade do dano. Isso significa que a IA também pode interagir com a pessoa que tira fotos para solicitar fotos adicionais específicas no local. “Ao fazer isso, nossa IA pode produzir uma estimativa em minutos”, garante Nieto.

A operação do aplicativo depende de como o usuário final e como as seguradoras o implementam. Há dois tipos disponíveis: AI Review e AI Estimating. A primeira permite que as seguradoras analisem todas as reivindicações processadas e detectem possíveis imprecisões. Nieto desta que isto leva a uma economia significativa de custos com a captura de vazamentos, além de economizar tempo aos técnicos responsáveis pela revisão dos dados. “A Tokio Marine, que está usando a AI Review, diz que pode levar de duas a três semanas para determinar quanto um segurado deve receber pelo sinistro, no Japão. Ela espera reduzir esse tempo consideravelmente usando o Tractable”, comemora.

Para diminuir o risco de fraudes, existem verificações de segurança integradas ao sistema. Por exemplo, a IA pode detectar se o dano reivindicado pelo segurado é referente ao sinistro ou se é pré-existente. “Também podemos verificar se o veículo das fotos é realmente o mesmo para o qual uma reclamação foi enviada ou se o dano no veículo é consistente com as circunstâncias do acidente”, completa Nieto.

Kelly Lubiato
Revista Apólice

Deixe uma resposta