EXCLUSIVO – Matéria divulgada ontem (26) pela agência Reuters jogou luz sobre a condução da ação do Governo em relação ao combate ao coronavírus. Logo no início de março, o Ministério da Saúde convocou uma reunião para falar sobre as diretrizes do Governo, dois dias após a Organização Mundial da Saúde decretar a pandemia. Desta reunião, Solange Vieira, superintendente da Susep participou como convidada, para passar números sobre a economia.

Solange Vieira

O texto da matéria diz: “Solange Vieira, aliada de Guedes que esteve envolvida na importante reforma previdenciária do governo no ano passado, também mostrou pouca urgência quando foi apresentada a previsões do Ministério da Saúde em meados de março, de acordo com o epidemiologista Julio Croda. O ministério previu mortes generalizadas entre os idosos, se o vírus não fosse contido. Segundo Croda, ela afirmou: “É bom que as mortes se concentrem entre os idosos… Isso melhorará nosso desempenho econômico, pois reduzirá nosso déficit previdenciário.” O relato de Croda foi corroborado por outra autoridade, que, falando sob condição de anonimato, contou que recebeu informação do ocorrido, mas não estava na reunião.”

Desde a publicação deste texto em diversos veículos, como Extra, Uol, Folha e o Antagonista, entidades do setor de seguros se manifestaram contra as declarações de Solange.

Nota da Susep:

Consultada pela reportagem da Apólice, a Susep se manifestou em nota: “Esclarecemos que as declarações do senhor Júlio Croda atribuídas a Solange Vieira em recente matéria jornalística são improcedentes. Reiteramos que, a convite do então ministro Luiz Henrique Mandetta, a economista esteve em março no Ministério da Saúde (MS), para contribuir com os modelos de projeção decorrente da pandemia de COVID-19 utilizados por aquela pasta. Na ocasião, foram observados os cenários apresentados e seus impactos, com foco sempre na preservação de vidas. A economista declara seu repúdio a toda e qualquer ilação que impute a alguma análise proferida juízo de valor em sentido contrário ao direito à vida e à saúde para todos, de qualquer idade, a qualquer tempo.  Medidas legais cabíveis sobre o assunto estão sendo analisadas.”

Repúdio

A Fenacor emitiu nota de repúdio, na qual lamenta a postura insensível e desumana da executiva. O texto afirma: “É absolutamente inaceitável e inconcebível que seja esse o sentimento que move a pessoa que dirige a autarquia responsável por supervisionar o mercado de seguros e de previdência privada, cuja principal missão é exatamente a de proteger a vida e amparar as pessoas. A brutalidade e a falta de empatia demonstradas pela superintendente da Susep causam repulsa na sociedade brasileira e nos faz questionar uma vez mais se ela reúne as mínimas condições para ocupar o posto de comando de um órgão do Governo cujo foco precisa estar direcionado para ajudar as pessoas a superarem a mais grave crise na saúde pública dos últimos 100 anos.”

Alexandre Camillo, presidente do Sincor-SP usou o seu programa Direto & Reto para repercutir as palavras. Ele lembrou também todas ações da Susep, desde novembro de 2019, no sentido de atacar a atuação dos corretores de seguros, principalmente com a desregulamentação da profissão e a obrigatoriedade de exposição do valor da comissão nas apólices de seguros.

O deputado federal Lucas Vergilio (Solidariedade-GO) cobrou hoje, na tribuna da Câmara, uma posição do Ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele disse que “nos incomoda muito o silêncio do Ministro da Economia que, até por sua idade (70 anos) deveria ter tomado alguma atitude contra a postura de Solange Vieira”.

Kelly Lubiato
Revista Apólice

 

7 COMENTÁRIOS

  1. Não sei se ela disse mesmo isso, mas se disse está certa. Tenho 63 anos e espero há 2 anos minha aposentadoria no INSS. Quando Sul América, Allianz e caterva começaram a cancelar as apólices dos seguros de vida dos idosos, inclusive a minha, vocês, a imprensa especializada puxa saco que vivem de anúncios e não de notícias e todos os vagabas oportunistas dos SINCOR S e da FENACOR ficaram calados. Igualmente CNSeg, FenSeg, etc… Há 20 anos isso vem ocorrendo. Também não vi a ALLIANZ excluir pandemia das suas. Condições Contratuais. Aguardo as suas ponderações.

  2. Bela matéria, mas o título é indutivo. Primeiro porque não esclarece se a declaração que sefse aquiéaqui referente a acusação ou se a posterior declaração da Susep. Se for da acusação então está faltando a informação precisa
    Mas, se no entanto for da declaração da Susep, não vi a reação frente a está declaração desconsiderando o que foi dito da superintendente. De qualquer forma trata-se de ilação. Portanto, apesar de sempre apreciar o seu conteúdo, sempre belo e extraordinário, faço essa pequena ressalva a título apenas de justiça. Atenciosamente, Armando Luis Francisco, corretor de Seguro

  3. Ela trabalha no setor público há bastante tempo, antes do atual governo. Não há relação direta como o Guedes. Vocês estão usando essa profissional para atacar o governo. Factoide!

  4. Pois é Paulo Roberto. Mais imprensa Fake News? São desinformados ou mal intencionados? Uma coisa é certa: estão a serviço de algum grupo. Afinal vivem de que? Anunciantes não? Já viu alguma revista criticar um anunciante. Nosso mercado segurador está muito carente de uma empresa séria. Aquele lá do CQCS é outro que só faz firula e babam ovo de que paga.

Deixe uma resposta