ATUALIZADO ÀS 15:46 DO DIA 17/04/2020

EXCLUSIVO – Com o isolamento social por conta da pandemia de coronavírus, grande parte das empresas brasileiras estão fechadas. Sendo assim, os proprietários dessas organizações precisam estar atentos aos riscos que seus negócios podem estar expostos até que a situação volte ao normal. Sem um monitoramento constante, aumentam as chances de incidentes como incêndio, vazamento, pane elétrica e até mesmo roubo ocorrerem, trazendo grandes prejuízos para a companhia.

Uma maneira de proteger o bolso e a empresa é a contratação do seguro empresarial. O produto tem como objetivo proteger companhias de diferentes segmentos e portes com a realização um trabalho personalizado para cada cliente a partir da identificação e da gestão de riscos, sejam eles naturais ou não. A meta é ampliar a proteção dos bens patrimoniais e reduzir ao máximo as possibilidades de sinistro.

Na publicação “Coronavírus: Medidas de Segurança para Empresas Forçadas a Fecharem Temporariamente Suas Instalações”, especialistas da AGCS oferecem um panorama geral de segurança e medidas que podem ajudar a evitar danos físicos, como inspeções regulares dos sistemas de proteção contra incêndios e o armazenamento seguro de materiais inflamáveis no caso de uma companhia precisar parar temporariamente.

Segundo Felipe Orsi, diretor de Property América do Sul da empresa, “em momentos como o atual, onde há um agravamento do risco em decorrência de prédios fechados ou pela alteração momentânea de atividade, vêm à tona riscos e exposições não mapeadas no dia a dia”. “Dessa maneira, percebemos como uma gestão de risco bem feita é sempre a melhor opção”, completa Leonardo Vivas, Consultor de Risco da mesma empresa.

Alguns sinistros como Incêndio, Raio e Explosão, Acionamento Acidental do Sistema de Combate a Incêndio e outros estão inclusos na cobertura básica do seguro empresarial, podendo ser contratadas diversas coberturas adicionais de acordo com a necessidade da empresa.

Leia mais: Pandemia do coronavírus domina a atenção do setor segurador

Para evitar roubos, é importante manter o mínimo de mercadoria visível, trancar portas e portões e possuir um sistema de alarme confiável, com câmeras ligadas 24 horas e conectado à central de segurança. Essas providências dificultam possíveis invasões. Outra dica é manter um inventário atualizado de mercadorias, pois caso ocorra algum sinistro a seguradora consegue indenizar com maior rapidez.

Caso algum desses problemas ocorra durante a quarentena, o proprietário consegue informar sua seguradora e contar com a prestação de serviços. A Mapfre, por exemplo, habilitou suas equipes de assistência para fazerem atendimento à distância e, em casos emergenciais, no qual é preciso que seja feito o deslocamento até o local, a equipe vai preparada e protegida, seguindo protocolos de prevenção impostos pela OMS.

Patrícia Siequeroli, diretora de Seguros Gerais da companhia, afirma que o seguro empresarial é “uma ferramenta importante para a proteção do investimento construído. Além de garantir a indenização em eventual ocorrência de sinistro, é indispensável para a continuidade do negócio. Em muitos casos, a seguradora recomenda melhorias durante a inspeção realizada na fase de contratação ou renovação da apólice, mitigando riscos e ampliando a proteção do segurado”. Jonson Marques de Sousa, diretor técnico de Empresas, completa afirmando que “a seguradora faz acompanhamento da sinistralidade, exposição dos riscos e coberturas mais acionadas. Essas informações são base para melhorias e ajustes nos produtos, auxiliando na construção de materiais de prevenção para informação aos corretores e parceiros de negócios”.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta