ATUALIZADO DIA 04/03/2020 ÀS 10:04

EXCLUSIVO – Em parceria com o CCS-SP e a Aconseg-SP, o CVG-SP realizou hoje, 03 de março, o evento “Oportunidades em Planos de Previdência e Seguro de Vida”. O encontro aconteceu no Teatro Fecap, na capital paulista, e contou com a presença de especialistas no tema.

O primeiro painel teve a participação de Bernardo Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência, que abordou o tema “O desenvolvimento de seguros resgatáveis e as novas oportunidades para a população brasileira”. Durante a apresentação, o executivo mostrou alguns dados sobre o novo modelo de sociedade do País.

Segundo Castello, em 2060 o país contará com mais de 73 milhões de pessoas com 60 anos ou mais e a depressão será o primeiro transtorno mais incapacitante em 2022. “Devido ao aumento da longevidade, o papel da indústria é criar condições para as pessoas viverem melhor. Será que nós, do mercado de seguros, não estamos errando ao não oferecer uma cobertura no seguro de vida que inclua suicídio? A indústria de seguro de vida tem que se reinventar, buscando agregar valor para o cliente e não apenas oferecer produtos, mas sim estimulando a qualidade de vida”.

No segundo painel, Henrique Diniz, diretor de Produtos de Previdência na Icatu Seguros, abordou o tema “A previdência privada e o seguro de vida diante do mercado brasileiro”. De acordo com dados apresentados pelo executivo, o mercado de Previdência Complementar possui uma reserva de R$ 930 bilhões e a penetração do segmento é de apenas 8%, segundo a Susep. É possível perceber a gigantesca diferença quando comparado o nível de penetração do seguro de automóvel, que é de 63% de acordo com a Porto Seguro.

Para Diniz, “é necessário acompanhar a mudança no perfil do consumidor e do mercado. O papel consultivo do corretor é fundamental e fomentar a força de vendas para realizar treinamentos também é importante. A previdência privada e o seguro de vida se complementam, por isso é necessário entender quais são os objetivos do cliente para indicar o produto correto”.

Leia mais: CVG-SP discute o uso de teste epigenético como tendência

No terceiro painel, Leonardo Lourenço, superintendente de Marketing da MAG Seguros, falou sobre “As principais características de Whole Life e Term Life + Acumulação”. Segundo o executivo, uma das diferenças entre os produtos é que o Whole Life é um produto de benefício definido, e o Term Life, juntamente com um plano P/VGBL, forma uma combinação variável.

Uma outra característica do Term Life junto com um plano de previdência é que além do capital ser pré-estabelecido, com atualização pela inflação, há acúmulo do valor investido em função da rentabilidade obtida no fundo da previdência. “Ser previdente é ir além de pensar no futuro. As pessoas procuram gerir os riscos de morte ou invalidez durante a acumulação de riqueza para recuperar o valor investido ainda em vida. É nesse movimento que surgem as oportunidades de negócios e aqueles que estão antenados com as tendências do mercado irão aproveitar”, ressaltou Lourenço.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta