EXCLUSIVO – 2020 já começou e com ele vieram também as famosas contas de IPVA, IPTU, material escolar, rematrícula e mensalidade da escola/faculdade entre outras. Uma das principais preocupações das famílias brasileiras é garantir uma educação de qualidade para seus filhos e, atento às necessidades do consumidor, o mercado de seguros criou o seguro educacional.

Apesar de não ser novidade, algumas pessoas ainda não têm conhecimento sobre o produto e quais os benefícios que ele oferece para prevenir dívidas de universitários e estudantes com a unidade de ensino particular, garantindo a sua formação.

De acordo com dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 61 milhões de brasileiros terminaram 2019 inadimplentes. Esse índice influencia o setor da educação, o que leva ao aumento da procura pela proteção. Segundo dados da FenSeg – Federação Nacional das Seguradoras de Seguros Gerais, em 2018, a venda do seguro educacional cresceu 7,5%.

Entre as coberturas básicas, o seguro cobre as mensalidades caso o pagamento seja interrompido por alguma fatalidade, como a morte do contratante por causas naturais, acidentais ou invalidez permanente. Outra situação em que a proteção pode auxiliar é em caso de demissão ou afastamento do trabalho por doença adquirida em decorrência do mesmo.

Bernardo Castello, diretor na Bradesco Vida e Previdência, afirma que “em momentos de instabilidade econômica há uma preocupação maior com questões como o desemprego. Da mesma forma como o seguro prestamista funciona como uma proteção para o tomador de crédito e para a instituição financeira, o seguro educacional é a proteção para os pais, alunos e escolas com o objetivo de garantir a continuidade da educação”.

(FOTO: Julio Bittencourt) Bernado Castello

É possível que o consumidor contrate coberturas extras, como gastos com material, uniforme e despesas com a formatura. O produto pode cobrir também a remoção médica do aluno em caso de doença ou acidente na escola, transporte de ida e volta às aulas se o estudante estiver com dificuldade de locomoção em razão de um acidente e assistência funeral em caso de morte.

Leia mais: Crise e inadimplência no Fies mantém busca pelo seguro educacional

As instituições de ensino não são obrigadas a oferecer o produto. Entretanto, as que fornecem, geralmente ofertam o serviço no ato da matrícula e o pagamento é integrado  aos boletos das mensalidades.

Na Universidade Estácio de Sá, desde 2014 o benefício é oferecido de forma gratuita para os alunos dos cursos de graduação Tradicional ou Tecnológica nas modalidades EAD ou presencial. O universitário, cumprindo todas as exigências do seguro, tem direito a uma indenização de até seis vezes o valor da mensalidade do mês da perda de renda.

“Oferecemos o seguro como uma forma de diferencial competitivo da organização junto aos nossos alunos e candidatos. Nosso objetivo é garantir que o estudante continue com seu projeto de vida, independente da sua situação financeira”, ressalta Diego Nicheli Chagas, gerente de Operações Financeiras da Estácio.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta