O Dia Internacional da Pessoa com Deficiência foi celebrado nesta terça-feira (03/12) e alerta para a importância da conscientização sobre igualdade de oportunidades para todos. Segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 6,7% da população tem algum tipo de deficiência. Os números do seguro DPVAT mostram que os acidentes de trânsito envolvendo pedestres têm grande participação nestas estatísticas. De janeiro a outubro deste ano, foram indenizadas mais de 68 mil pessoas que circulavam a pé no momento da ocorrência e ficaram com algum tipo de invalidez permanente. O número representa 77% do total de pagamentos destinados a vítimas pedestres.

As motocicletas foram responsáveis pela maioria dos acidentes com sequelas definitivas envolvendo pedestres, somando mais de 48 mil pagamentos. Na sequência, estão os automóveis (16.123); caminhões e pick-ups (2.739); ônibus, micro-ônibus e vans (1.423); e ciclomotores (313).

As estatísticas do DPVAT ainda mostram que os jovens são os mais atingidos. Do total de sinistros pagos para pedestres vítimas de invalidez permanente em função de acidente de trânsito, 28.286 foram para pessoas com idade entre 18 e 34 anos, que formam população economicamente ativa. A segunda faixa etária mais afetada é de 45 a 64 anos, concentrando mais de 17 mil pagamentos.

A análise por estado indica que São Paulo lidera o ranking de indenizações pagas para pedestres com invalidez. De janeiro a outubro, foram 6.141 pagamentos na região. Minas Gerais (5.811), Goiás (5.515), Mato Grosso (5.090) e Ceará (4.915) completam, respectivamente, a lista dos cinco primeiros colocados.

Leia mais: Os impactos da extinção do seguro DPVAT para a população

Para o superintendente de Operações da Seguradora Líder, Arthur Froes, a data é mais uma oportunidade de reforçar a importância da conscientização para um trânsito mais seguro. O especialista chama atenção para os cuidados que devem ser adotados pelos pedestres, mas também ressalta o papel fundamental dos motoristas neste cenário.

“As pessoas que circulam a pé são o segundo tipo de vítima mais atingida por sequelas permanentes após um acidente de trânsito. Esta realidade alerta para a importância da utilização da faixa de pedestre e atenção ao semáforo. Mas, além disso, os condutores de veículos também têm atuação na prevenção destas ocorrências. É essencial que respeitem o limite de velocidade das vias, não estacionem em cima da faixa e nem avancem os sinais. A segurança no trânsito é um dever de todos nós”, explica Froes.

O especialista ainda reforça a importância do seguro obrigatório para os pedestres atingidos por automotores. “A indenização representa uma reparação social para todas as vítimas de acidentes de trânsito, inclusive para quem não possui um veículo”.

Além das indenizações pagas, a Líder apoia as vítimas de acidentes de trânsito, principalmente aquelas que ficaram com algum tipo de sequela definitiva, na busca pela reinserção no mercado de trabalho. O programa Recomeço, criado pela companhia em agosto do ano passado, conta com uma plataforma digital, que permite a oferta de vagas pelas empresas parceiras e o cadastramento dos interessados em uma nova oportunidade. Hoje, são mais de 960 beneficiários registrados no portal, que também reúne histórias de superação e notícias sobre inclusão no mercado.

O programa também já formou duas turmas em cursos de qualificação profissional no setor de seguros, com aulas ministradas pela Escola Nacional de Seguros (ENS). A última capacitação foi realizada entre junho e julho deste ano e marcou a chegada da iniciativa em São Paulo. Já as aulas da turma-piloto, em agosto de 2018, aconteceram no Rio de Janeiro. O conteúdo programático do curso abrangeu temas como atendimento ao cliente; conceitos básicos de seguros; língua portuguesa; orientação profissional; matemática financeira; rotinas administrativas e informação básica. Ao todo, foram 84h de formação.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta