ATUALIZADO ÀS 8h27 DO DIA 12/11

Como já havia sido anunciado pela superintendente da Susep, Solange Vieira, no Congresso dos Corretores de Seguros em outubro, foi editada a Medida Provisória pela qual a autarquia deixa de regular a categoria dos corretores de seguros. O objetivo da medida é gerar mais eficiência para a gestão pública e concentrar esforços em atividades que demandem regulação específica.

A iniciativa vem com o entendimento que a categoria está madura para atuar em um ambiente mais flexível, sem a presença do regulador, assim como acontece em diversos outros setores da economia. A autorregulação trará mais eficiência e mais liberdade ao setor de seguros.

LEIA MAIS: Corretores serão categoria autorregulada

Os corretores de seguros não estão mais sujeitos à habilitação e ao recadastramento, antes realizados pela Susep, o que representa menos custos para as duas partes.

Nos últimos anos, com a limitação nos gastos públicos e cortes orçamentários frequentes, a Susep tem buscado aumentar a sua eficiência regulatória. A autorregulação dos corretores aparece como uma opção viável dentro deste processo.

Hoje, os corretores representam cerca de cem mil registros, entre pessoas físicas e jurídicas. Entende-se que o desenvolvimento do setor será mais promissor se for permitido que a própria categoria se organize em torno da atividade de autorregulação, estabelecendo procedimentos próprios.

A autorregulação é um pleito antigo da categoria de corretores e a medida trará benefícios aos próprios profissionais e ao mercado de forma geral, beneficiando, em última instância, os consumidores de seguros.

Na tarde desta terça-feira as lideranças dos corretores de seguros devem se reunir no Rio de Janeiro para discutir o que será feito pela categoria.

K.L.
Revista Apólice

6 COMENTÁRIOS

  1. Hoje, parte daqueles que tiraram sua “Habilitação” na SUSEP atuam como VENDEDORES DE PRODUTOS MASSIFICADOS agregando em suas grades produtos que nada tem a ver com Seguros.
    É o caso de CONSÓRCIO, FINANCIAMENTO, CARTÃO DE CRÉDITO, PLANO DE TELEFONIA, ALARMES MONITORADOS, LOCAÇÃO DE VEÍCULOS e etc.
    Poucos buscam ESPECIALIZAÇÃO em determinados seguimentos ou produtos específicos de seguro
    Os CORRETORES ESPECIALIZADOS tem (E terão) mais chance de sobreviver diante da realidade em que vivemos onde os produtos massificados de seguros (Automóvel, Residência, RD Equipamentos Portáteis, AP entre outros) são comercializados em qualquer esquina (Farmácia, Magazines, Postos de Gasolina e etc. ) ou pela Internet através de aplicativos e sem a análise de um CORRETOR.
    Quando digo CORRETOR, me refiro ao PROFISSIONAL que investiu e investe constantemente em seus conhecimentos prestando o papel de CONSULTOR DE SEGUROS e procurando estar sempre atualizado.
    Sou habilitado desde 1991 e atuo na área desde 1982 (Atuei em Seguradora , Corretora e também sou Segurado), por tanto, reconheço que tenho um pouco de “bagagem” na área e me preocupo em reciclar constantemente.
    Coloco tudo isso para expressar que o fato da autarquia deixar de regular a categoria, poderá fazer com que o CORRETOR DE SEGUROS seja visto com menos credibilidade e comparado a simples “vendedor” de seguros.
    Isso ocorre justamente no momento em que vemos o produto “SEGUROS” ser mais presente na vida e na CULTURA do Brasileiro.(Hoje, o Brasileiro não é um leigo, graças a muitas campanhas e programas veiculados nas mídias de Rádio e TV falando só sobre SEGUROS)
    Sabemos que “SEGURO” ´faz parte da CULTURA de uma sociedade desenvolvida (Vide Europa e Estados Unidos onde o “SEGURO” está enraizado na cultura desde a infância) e é isso que precisamos: conscientizar cada vez mais o Brasileiro.da necessidade de “Estar Segurado”
    Por tanto, é necessário mais apoio para que tenhamos uma Categoria Profissional mais REGULAMENTADA, AMPARADA, com mais QUALIDADE, e RESPONSABILIDADE.

  2. Trabalho a mais de vinte anos com seguros tenho uma das maiores carteira de vida do RN sou jurídica. Essas mudanças já estava mais que na hora. Com certeza. o mercado vai melhorar muito.

Deixe uma resposta