A Chubb Limited divulgou o seu Lucro Líquido para o trimestre, que foi encerrado em 30 de setembro de 2019, registrando US$ 1,091 milhão, ou US$ 2,38 por ação, apontando queda de 9.8% quando comparado aos US$ 1,231 milhão, ou US$ 2,64 por ação, no mesmo trimestre do ano passado. O Lucro Operacional apresentou crescimento de 12%, alcançando US$ 1,236 milhão, ou US$ 2,70 por ação, diferente do US$ 1,122 milhão, ou US$ 2,41 por ação, no mesmo trimestre do ano anterior. O Índice Combinado de Property e Casualty (P&C) foi de 90,2% e o Índice Combinado Global de P&C, excluindo Agricultura, foi de 88.9%. O retorno sobre patrimônio anualizado e retorno sobre patrimônio operacional foram de 8.1% e 9.5%. respectivamente.

Para os trimestres encerrados em 30 de setembro de 2019 e 2018, as despesas tributárias (benefícios) relacionadas com a tabela acima foram ambas de US$ (2) milhões, para despesas de integração da seguradora; US$ (8) milhões e US$ (12) milhões, respectivamente, para amortização do valor justo do patrimônio investido adquirido e dívidas de longo prazo; US$ 19 milhões e US$ 14 milhões, na ordem, para o ajuste de ganhos e perdas líquidas realizadas; e US$ 219 milhões e US$ 183 milhões, nesta sequência, para o Lucro Operacional.

Para os 9 meses encerrados em 30 de setembro de 2019, o Lucro Líquido foi de US$ 3,281 milhões, ou US$ 7,13 por ação. O Lucro Operacional foi de US$ 3,601 milhões ou US$ 7,83 por ação, comparados com US$ 3,472 milhões ou US$ 7,42 por ação, de 2018. O Índice Combinado de P&C foi de 89.9% e o Índice Combinado Global de P&C, excluindo Agricultura, foi de 89,7%.

Leia mais: Chubb lança versão otimizada da sua plataforma de riscos cibernéticos

Para os 9 meses encerrados em 30 de setembro de 2019 e 2018, as Despesas Tributárias (benefícios), relacionadas com a tabela acima, foram de US$ (2) milhões e US$ (7) milhões, respectivamente, para despesas de integração da Chubb; US$ (22) milhões e US$ (32) milhões, na sequência, para amortização do valor justo do patrimônio investido adquirido e dívidas de longo prazo; US$ 13 milhões e US$ 25 milhões, respectivamente, para o ajuste de ganhos e perdas líquidas realizadas; e US$ 637 milhões e US$ 550 milhões, na ordem, para o Lucro Operacional.

Evan G. Greenberg, chairman e chief Executive Officer da seguradora, comentou: “Nossos resultados do terceiro trimestre foram destacados principalmente pelo Lucro Operacional, que cresceu dois dígitos em relação ao ano anterior e um crescimento da receita em muitas áreas da empresa. O rendimento Operacional foi impulsionado por fortes contribuições do lucro de Subscrição e da receita de Investimentos. Nosso Índice Combinado de P&C de 90,2% se beneficiou por conta das menores perdas por catástrofes ano-a-ano, mas compensadas parcialmente por maiores perdas no seguro agrícola, também um risco de catástrofe”.

Os Prêmios Retidos de P&C aumentaram mais de 7% em dólares constantes. Esse crescimento veio de todas partes do mundo, com prêmios líquidos acima de 6,5% das operações de seguros da companhia na América do Norte, cerca de 10% na Ásia e América Latina, e 8% e 6%, respectivamente, no Reino Unido e no restante da Europa. Os preços continuaram fortes no trimestre , em muitos casos, o dobro ou mais em relação ao primeiro trimestre, com o aumento acelerado das taxas se espalhando para mais linhas de negócios.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta