(FOTO: Arnaldo Athayde) João Alceu Amoroso Lima

Um dos maiores desafios hoje para a sustentabilidade dos sistemas privados de saúde no mundo é o crescente aumento das despesas médico-hospitalares. No Brasil, os custos sobem em média 3,4 vezes acima da inflação, como demonstrou o presidente da FenaSaúde, João Alceu Moroso Lima, em seminário realizado no dia 18 de outubro pelo CSP-MG.

O número de pessoas que deixaram de ter um plano de saúde no País também é preocupante. Segundo dados da Federação, nos últimos cinco anos cerca de 3,5 milhões de beneficiários saíram do mercado privado em função da queda da renda e do desemprego, o que também sobrecarrega o sistema público.

Para buscar o equilíbrio das contas, Lima avalia que é preciso maior investimento em programas de atenção primária à saúde, mudanças no modelo de remuneração de prestadores de serviço, racionalização de despesas e combate aos desperdícios.

Leia mais: 5º Fórum: Fenasaúde discute os novos rumos da saúde suplementar

O presidente da entidade também defende o acesso de mais usuários ao sistema por meio da oferta de novos produtos. “Por que não criar planos segmentados, com coberturas mais simplificadas, que se adaptem à capacidade de renda das pessoas?”, questiona.

Após a palestra, executivos das beneméritas do Clube, que atuam na área, participaram de mesa-redonda mediada pelo diretor do Clube, Mauricio Tadeu Barros Morais, que contou ainda com a presença do diretor da Abramge, Felipe Rossi.

O presidente do CSP-MG, João Paulo Moreira de Mello, reforçou que a missão da entidade é promover o debate sobre temas relevantes do mercado de seguros de pessoas. “Nesta oportunidade, contamos com a presença de Lima, que nos apresentou a situação atual e os principais desafios a serem superados pelo setor. O objetivo do evento foi alcançado, já que tivemos a expressiva participação do público, em sua maioria corretores, representantes de seguradoras e operadoras, além de autoridades da área”, ressaltou.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta