Seguros Unimed 30 Anos – Com a banda Tocando o Futuro executando o Hino Nacional, foi aberta a 49a. Convenção Nacional do Sistema Unimed, no Centro de Convenções de Natal/RN, e reuniu 1500 pessoas, entre cooperados, lideranças e fornecedores. 37% da saúde suplementar pertence ao Sistema Unimed. O maior desafio do Sistema é enfrentar as dificuldades econômicas e a incapacidade das empresas de manterem o benefício de saúde para seus colaboradores.

Fernando José Pinto de Paiva, presidente da Federação Equatorial e presidente da Unimed Natal, abriu o evento como anfitrião. Ele destacou que este evento é especial para o compartilhamento de informações que delinearão as estratégias para o futuro do maior sistema de cooperativas médicas do mundo. “Neste cenário, com custos elevados e evasão de beneficiários, teremos que ter agilidade, porque somente sobreviverão as empresas que tiverem capacidade de se adaptar às mudanças”. Para Paiva, não há mais chances de errar, por isso é preciso um modelo de gestão eficiente, com assistência mais sustentável.

Eider Barreto de Medeiros, presidente da Federação do Rio Grande do Norte, convidou todos a embarcarem em uma jornada para o futuro, de muitas aprendizagens. “Daqui a três meses entraremos em uma nova década do século. Precisamos seguir de forma integrada e tirando do caminho as pedras do erro, pavimentando o caminho do sucesso”. Alinhamento, envolvimento, respeito e descobertas são as palavras que definem o evento, segundo Medeiros.

Leia mais: Seguros Unimed 30 Anos: experiência e apetite por novidades

A Fundação Unimed foi representada por seu presidente, Eudes de Freitas Aquino. Ele apontou que as 49 convenções consecutivas mostram a força deste evento. “A Fundação completa 24 anos de atividades. A entidade assume uma nova roupagem e, em um futuro breve, coroará o esforço de todo o Sistema com a faculdade Unimed, pois nossas pretensões são maiores do que a realidade de hoje”.

Alexandre Buschi, presidente da Central Nacional Unimed, disse que, apesar das incertezas, “proponho que o evento seja palco do início das mudanças no Sistema Unimed e que isso não fique como apenas carta de intenções”.  Para ele, em um ambiente ambiente hostil, é preciso reconhecer os erros e virtudes. “A Central não se furtou de sua obrigação de atuar nas crises de algumas unidades. Realizamos grandes avanços em acordos bem realizados, como na Bahia, em que cobrimos quatro unidades para garantir o atendimento. Nosso modelo encanta o mundo cooperativo porque ele compactua e dialoga com o sistema de saúde”, enfatizou.

Para representar a aniversariante da noite, Helton Freitas, presidente da Seguros Unimed, trouxe uma mensagem especial, principalmente porque comemora-se marcos institucionais e memórias das entidades. “Em mais de 20 anos no sistema, sou privilegiado, primeiro na Unimed BH e agora na Seguros Unimed. Celebramos 30 anos da nossa história construída junto com o Sistema. Temos muito do que nos orgulhar, mas as conquistas e o sucesso de hoje não bastam para nos garantir. Este ambiente de incertezas e disrupções nos desautoriza à acomodação”, avisou.

Ele citou alguns momento da história da Seguros Unimed, lembrando de seu fundado r primeiro presidente, João Eduardo Irion, segundo o qual o Sistema se estruturou primeiro no desenvolvimento natural das cooperativas. Depois disso, o crescimento se deu pela necessidade de empresas não cooperativas sob seu controle, aptas a realizar operações que as cooperativas não pudessem fazer.

Freitas acrescentou: “trago uma mensagem de confirmação de nosso compromisso em uma palavra que abre outras propriedades: intercooperação. Temos a responsabilidade de contribuir, completar e trabalhar para construir um Sistema sólido e para que ele possa avançar de forma competitiva e sustentável”.

Nilson Luis Maia, presidente da Unimed Participações, disse que cabe a todos que aqui vem, aproveitando esta oportunidade, deixar uma mensagem que seja, curta, breve, mas lembrada. Ele adiantou que a 50a. Convenção do Sistema Unimed será realizada em Gramado/RS.

Edvaldo Del Grande, presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras, ressaltou que em um país em que a média de vida das empresas não passa de dois anos, é um marco a vida das cooperativas médicas. O Sistema Unimed deve ser respeitado como um importante agente de saúde suplementar. “Temos trabalhado com sólidos parceiros para atuar com as Unimeds. Queremos melhorar as condições do sistema de saúde na reforma tributária. São temas complexos que dependem da união de todos”.

Para fechar, Orestes Pullin, presidente da Unimed do Brasil, afirmou que o cenário brasileiro neste momento não é positivo, mas que há grandes expectativas nas consequências das reformas da macroeconomia, como a reforma da previdência. “São promessas e expectativas que precisam se concretizar”, alertou, acrescentando que “temos que conviver com a evolução das tecnologias aplicadas à saude, além daquelas de armazenamento e transmissão de dados, internet das coisas, telemedicina. “Nós estamos em dificuldade para entender este novo mundo, porém não podemos ter medo”, pontuou.

Pullin salientou que o Sistema existe para atender bem aos clientes e dar mercado de trabalho aos médicos associados às cooperativas. “É nosso dever e nossa obrigação inserir os médicos nesta realidade econômica. Temos que oferecer ferramentas tecnológicas, de gestão e governança”, finalizou.

Kelly Lubiato, de Natal/RN
Revista Apólice

*Esta matéria faz parte do especial ‘Seguros Unimed 30 Anos’ , que será publicado ao longo desta semana, durante a 49a. Convenção Anual do Sistema Unimed

Deixe uma resposta