Muitas pessoas têm a vontade de começar um negócio próprio, porém, sentem receio e insegurança de dar um novo passo na vida profissional. Alguns pensam que por ter uma boa ideia é possível se tornar o próprio patrão e abrir uma empresa. É necessário conhecer a fundo o mercado que busca investir, manter-se atualizado para que os concorrentes não “engulam” o seu negócio e fazer aquela pergunta: será que eu tenho perfil para ser empreendedor?

De acordo com o Sebrae, todo empreendedor de sucesso deve dedicar-se ao seu negócio com tempo e desenvolvimento pessoal, para isso, é necessário algumas características como: criatividade para aceitar desafios e buscar soluções; liderança para compartilhar ideias e aceitar opiniões; perseverança para manter-se firme nos seus propósitos e metas viáveis; flexibilidade para controlar impulsos e aprender sempre; automotivação para encontrar a realização pessoal no trabalho; formação permanente para manter-se atualizado com o mercado, buscando novas técnicas gerenciais; e ter organização para compreender as relações internas para ordenar o processo produtivo e administrativo do forma lógica e racional.

Henrique Mol, diretor executivo da Quisto Corretora de Seguros, afirma que não é necessário nascer empreendedor, mas sim com vontade de aprender sempre. “O mercado vive em constante mudança e não tem mais espaço para empreendedores engessados, que não conseguem acompanhar essa evolução. Não é a toa que vemos vários jovens se tornando donos de negócios de sucesso. Esse público é muito flexível e está em constante busca de desafios”, diz.

Leia mais: Quisto dá algumas dicas para quem irá por o pé na estrada

O empresário salienta que o perfil de empreendedorismo mudou na última década. Hoje é possível observar o número de brasileiros que empreendem em mais de um negócio ao mesmo tempo, e isso está ligado ao fato de aumentar a renda dentro de casa. “Os brasileiros buscam alternativas criativas para crescer financeiramente”, conta o executivo.

“Hoje não exigimos mais um perfil específico, pois enxergamos potencial inclusive nas pessoas sem experiência. Acredito e falo sempre aos meus franqueados que para ser um microempreendedor de sucesso, é necessário identificar com o segmento. Parece clichê, mas realmente quando você ama o que faz, o sucesso é apenas uma consequência do seu esforço e dedicação”, afirma Mol. Dos 90 franqueados em operação, 50% representam esse perfil.

Agregando novos serviços

Juliana de Oliveira Tesolin, de 29 anos, faz parte desse grupo de empreendedores que estão em busca de mudanças. Com pós-graduação em Direito Corporativo e Compliance, a jovem abriu uma franquia home based da Quisto em conjunto com o irmão, Lucas, de 25 anos, em Porto Feliz (SP).

A empreendedora afirma que a corretora de seguros veio com o intuito de agregar os serviços de seu outro empreendimento, a rede Encontre Sua Viagem (com foco em serviços de turismo). “Acreditamos que um serviço liga ao outro. Muitos clientes que tenho da Encontre já estão cotando seguros conosco. Logo teremos mais fechamentos. Abrimos a Quisto para agregar todas as empresas que temos na família. Hoje o seguro é algo imprescindível na vida das pessoas e a segurança é fator decisivo na compra do serviço”, observa.

Juliana pontua que a busca dos empreendimentos veio como uma chance de mudar de emprego, já que durante um bom tempo trabalhou para uma grande companhia aérea e em uma corretora de câmbio. Seu irmão também visualizou as chances de crescer profissionalmente e juntos, os jovens afirmam que buscaram trocar de emprego devido à flexibilidade de horário, além de comandar o negócio da própria casa.

N.F.
Revista Apólice

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta