A Petrobrás avançou neste mês de outubro com o processo de venda de sua participação em 27 campos de petróleo terrestres no Espírito Santo e em outros 14 municípios na Bahia. A expectativa é de que as concessões ampliem a produção de óleo e gás e aqueçam mercados que fornecem serviços para estes segmento, como o de seguros.

Para Jonson Marques, diretor de Empresas da Mapfre, a retomada dos leilões deve impulsionar o segmento, que está muito atrelado ao bom desempenho da extração e venda destes produtos.

“Este segmento deve trazer oportunidades ao mercado segurador em diferentes frentes. Isso porque as empresas que prestam serviços às petrolíferas também precisarão contar com proteções como a de Responsabilidade Civil Operações, Danos Morais e Poluição Súbita”, explica.

O executivo pontua que as proteções para este ramo são abrangentes e contemplam todas as etapas, desde o processo de sísmica (estudo do subsolo) até a produção. “É possível contratar proteções desde o momento do leilão de concessão. Nesta primeira etapa, geralmente, é adquirido o Seguro Garantia, que assegura que os prazos e valores definidos em contrato sejam cumpridos”, pondera Marques.

O especialista destaca que, superado o processo de licitação, as empresas têm a opção de adquirir a apólice de risco de petróleo, que ampara todos os riscos das operações de prospecção, produção e perfuração. Este tipo de seguro pode ser contratado de forma modular, no qual o cliente adequa as proteções às suas necessidades. “Em virtude da especificidade da atividade, o empresário pode optar por adquirir individualmente a cobertura para danos físicos aos ativos (plataformas); para o processo de construção de unidades de exploração ou produção; operações de extração ou todas as modalidades em uma mesma apólice, dividida apenas por seções.”

Leia mais sobre: Fogo em embarcações: contribuição das seguradoras nos sinistros

Outra proteção muito importante para este setor é a cobertura de Responsabilidade Civil Offshore (RC), que ampara os prestadores de serviços nas unidades de operação. A apólice protege contra riscos ocasionados a terceiros em função da atividade exercida.

G.R
Revista Apólice

Deixe uma resposta