“A economia brasileira continua em trajetória de recuperação, embora de forma lenta”, diz a edição de agosto da Carta de Conjuntura do Setor de Seguros, produzida pelo SindsegSP e pelo Sincor-SP. Apesar do cenário, o mercado de seguros conseguiu arrecadar R$ 10,43 bilhões no mês de agosto, um avanço de 8% em relação ao mesmo mês do ano passado.

De acordo com o estudo, a taxa de desemprego recua vagarosamente e as previsões de crescimento para 2019 são de aproximadamente 1%, baixo para o potencial do País. Em contrapartida, o cenário continua favorável para o mercado de seguros.

Os produtos de acumulação (VGBL+Previdência) apontam uma recuperação na receita. Apenas no mês de agosto, conseguiu arrecadar R$ 11,75 bilhões, um crescimento de 11% na comparação com agosto de 2018.

Na separação por ramos, o de Pessoas continua sendo destaque, já que no acumulado dos primeiros oito meses do ano, registrou receita de R$ 28,6 bilhões e crescimento de 16% em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais sobre: Setor de seguros avança 9% no primeiro trimestre

Já os Ramos Elementares, que sofrem pela queda da receita do seguro DPVAT, registraram receita de R$ 49,3 bilhões nos primeiros oito meses do ano, na comparação com 2018, o avanço é de 6%.

“Ressaltamos que a sociedade ainda está no aguardo quanto ao sucesso e à aprovação de novas reformas no governo e medidas que incentivem o desenvolvimento do País e o emprego, o que levará a uma mudança nas expectativas de forma mais intensa”, diz a publicação.

G.R
Revista Apólice

Deixe uma resposta