Dando continuidade às comemorações dos 30 anos de sua fundação, que incluem medidas como a reforma da sede e a reformulação de sistemas e processos, o PASI revisitou tradicionais coberturas com objetivo de aumentar a proteção aos segurados.

Nesse contexto, a cobertura “Nascimento de Filhos com Doença Congênita” aumentou de 6 meses para 30 meses após o nascimento da criança, o prazo limite para o segurado solicitar a indenização. “Percebemos que várias doenças não são identificadas até a criança completar o sexto mês. Por isso, adotamos essa medida, que não traz custos adicionais para o segurado, ou seja, melhoramos e ampliamos o potencial do produto, ajudando mais famílias, sem gerar ônus”, explica a diretora executiva do empresa, Fabiana Resende.

Indenização

A cobertura garante ao segurado o pagamento de indenização, em caso de diagnóstico de doença congênita. O valor da indenização varia de acordo com a cobertura básica, os dispositivos da convenção coletiva ou ainda o que foi demandado pelo cliente. Contudo, em geral as indenizações são em torno de 25% do capital básico do seguro.

“É um amparo importante para as famílias diante de notícia triste”, frisa a gerente do PASI, Andréa Gomes.

Proteção

A executiva observa que essa cobertura foi lançada em 1993. Porém, agora foi percebido o quanto é importante, para amparar mais famílias, proteger e diagnosticar mais crianças, que seja ampliada a data de avaliação da caracterização da doença congênita. “Percebemos que, como a cobertura restringia ao sexto mês, várias doenças congêneres que ainda não poderiam ser identificadas até então”, acentua Fabiana.

Leia mais sobre: PASI distribui cestas natalidade para comemorar 30 anos

Segundo a diretora do PASI, isso faz parte desse processo de revisitar importantes lançamentos e trazermos para nossa realidade. “Identificamos que poderia ser melhor, mais efetivo, indenizar mais famílias melhorando o alcance dessa cobertura. A companhia melhorou o alcance desse produto, esperamos que o mercado acompanhe e amplie essa proteção junto conosco”, completou.

História

O presidente do PASI, Alaor Silva Junior, explica que a cobertura foi constituída da forma mais rápida, dentre todas as demais coberturas lançadas pela empresa ao longo de seus 30 anos. “Na época de sua criação, havia certo número de nascimentos com doenças congênitas nas classes menos favorecidas. Identificamos então a possibilidade de desenvolver uma cobertura adequada a realidade e a necessidade dos segurados, oferecendo para o mercado mais uma importante cobertura para o seguro de vida”, revela o executivo.

G.R
Revista Apólice

Deixe uma resposta