EXCLUSIVO – Acessibilidade, empoderamento e diversidade são pautas dentro e fora das empresas. Com as redes sociais dando liberdade para expressar inúmeras opiniões, as pessoas têm tido um estímulo para ser quem realmente são em qualquer lugar – inclusive no trabalho. É isso que a nova geração está procurando.

Seguindo essa tendência, a Aon, em parceria com a Swiss Re e a MetLife, promoveu na quarta-feira, dia 25, na sua sede em São Paulo, o Festival Dive In, dedicado a disseminar culturas inclusivas no setor segurador e conscientizar executivos sobre a importância do assunto. O objetivo foi debater sobre ações positivas para a diversidade em todas as suas maneiras no mercado.

Focada nos profissionais do setor, a programação do evento contou com o painel “Como lidar com o viés inconsciente nas empresas?”, com a participação de Marcelo Homburger, CEO da Aon Brasil; Luciano Calheiros, CEO da Swiss Re; Francisco Espinoza, CFO Brasil na MetLife; e Cristina Aiach Weiss, diretora de RH America Latina na Swiss Re, que também moderou o debate.

Leia mais: Aon nomeia nova líder regional de RH para a América Latina

O painel discutiu sobre o conjunto de estereótipos que a sociedade internaliza e, não percebendo, acaba criando julgamentos em relação às pessoas e gerando visões preconceituosas de mundo. “As pessoas influenciam as pessoas. É nosso dever como empresa enxergar as coisas de maneira clara e tomar iniciativas que busquem melhorar esse cenário”, afirma Homburger.

No segundo painel aconteceu o “Talk-show: visão 2020”, com a participação de Eduardo Migliano, cofundador do 99 jobs; Neivia Justa, fundadora da #JustaCausa; Estela Zanata, sócia-diretora da KPMG; e Leila Luz, líder de inclusão e diversidade da BRF. Moderado por Daniela Dallacqua, diretora de RH da MetLife, a apresentação debateu sobre como o suporte ao desenvolvimento pessoal dentro da rotina e da cultura de uma organização gera produtividade e melhor desempenho dos colaboradores.

“Fortalecer as questões que abordam os grupos minorizados é uma oportunidade de fazer a diferença. Por isso, é importante que as empresas estejam engajadas nesse tipo de ação, pois elas tornam a sociedade mais justa e retêm futuros talentos, o que acaba sendo bom para todos os lados”, afirma Leila.

A Aon, além de realizar o evento, desenvolve iniciativas pela inclusão e diversidade, mesclando uma série de iniciativas para estimular a igualdade e o protagonismo feminino em todas os campos. A companhia é subscritora do WEPs (Princípios de Empoderamento das Mulheres da ONU Mulheres) e aderiu ao WIN (Women´s International Network), projeto que visa intensificar o empoderamento das mulheres no ambiente corporativo.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta