(FOTO: Marcos Santos, USP Imagens)

A Icatu Seguros registrou uma arrecadação de R$ 8,6 bilhões (*) no primeiro semestre de 2019, havendo um crescimento de 63% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Combinando foco de gestão de riscos e controle de despesas, o resultado operacional apresentou uma evolução de 42% em relação ao primeiro semestre de 2018, somando R$ 269,5 milhões. O lucro líquido da seguradora atingiu R$ 167,3 milhões, 36% superior ao mesmo período.

Nos primeiros seis meses de 2019, o patrimônio líquido da companhia atingiu a marca de R$ 1,4 bilhão. Além do sólido desempenho financeiro e operacional, a empresa registrou aumento de market share em todas as linhas de negócio.

O semestre foi marcado ainda por iniciativas em inovação, transformação digital e lançamento de produtos, buscando oferecer a melhor experiência para os clientes e corretores. As parcerias estratégicas seguem em ritmo acelerado e pautadas em capilarizar as opções de proteção e planejamento financeiro.

“Tivemos um semestre positivo, que reflete nossos esforços em eficiência operacional e em prover as melhores experiências aos nossos clientes e parceiros de distribuição”, afirma Luciano Snel, presidente da companhia.

Leia mais: Icatu Seguros lança produto de Vida Individual

Desempenho dos segmentos

As previsões, considerando as modalidades PGBL e VGBL, bateram a marca de R$ 32 bilhões em ativos. O volume é 62% superior ao fechamento do primeiro semestre de 2018. Além disso, a companhia alcançou R$ 5,5 bilhões em captação líquida. Hoje a seguradora conta com 77 gestores e 259 fundos, apostando em diversificação para todos os perfis de investidores, cada vez mais atentos à comparação de produtos e melhores alternativas disponíveis.

Já o segmento de vida obteve um faturamento de R$ 1,1 bilhão, um crescimento de 19% em relação ao mesmo período do ano passado. Destaque também para o desempenho do canal corretor, que avançou mais de 30% em faturamento e número de clientes. Essa performance foi motivada, em grande parte, pelo investimento em inovação e na aposta em produtos que já nascem 100% digitais, uma facilidade para clientes, corretores e parceiros de distribuição que reflete diretamente no aumento das contratações.

O primeiro semestre foi favorável também para a capitalização. A superintendência-geral do Cade aprovou sem restrições a aquisição da carteira de capitalização da SulAmérica pela seguradora, incluindo ainda a compra das ações da SulAmérica da CaixaCap, na qual a empresa aumentou a sua participação para 49%. A Icatu Capitalização vem, por meio de parcerias estratégicas com o sistema cooperativista, ampliando sua atuação em todo território nacional.

O patrimônio administrado pela Icatu Fundos de Pensão somou R$ 3,5 bilhões no primeiro semestre de 2019, um crescimento de 13%. O segmento é responsável pela gestão de cinco planos instituídos e 40 planos do fundo Icatu Multipatrocinado, com 64 patrocinadoras e mais de 86 mil participantes.

“Através de 270 parceiros comerciais e uma ampla rede que ultrapassa 5 mil corretores conseguimos levar soluções e serviços a mais de 6,5 milhões de clientes. Estamos vivendo um momento significativo, com o aumento da conscientização sobre a importância da proteção e do planejamento financeiro. Nosso objetivo segue em continuar uma trajetória de sucesso por meio de diversificação de carteiras, investimento em inovação e fortalecimento do relacionamento com o canal de corretores”, destaca Snel.

Icatu Vanguarda

A gestora de recursos da empresa superou R$ 24 bilhões em ativos sob gestão ao final do primeiro semestre de 2019, havendo um aumento de 35% em relação ao final do primeiro semestre de 2018. Nos seis primeiros meses do ano, a receita atingiu a marca de R$ 30,9 milhões, um crescimento de 33% em comparação ao mesmo período no ano passado.

(*) Arrecadação = prêmios emitidos líquidos + Contribuições para cobertura de risco + Receita com emissão de apólices + rendas de contribuições e prêmios + Rendas com taxas de gestão e outras taxas + Arrecadação com títulos de capitalização + Portabilidade de entrada.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta