No segundo trimestre e primeiro semestre de 2019, a Porto Seguro ampliou a rentabilidade, apesar da compressão das receitas. A lucratividade foi favorecida pelo aumento do resultado dos Negócios Financeiros e Serviços e pelo retorno sobre as aplicações financeiras. Nas operações de seguros, a redução dos efeitos das chuvas permitiu uma melhoria da sinistralidade em comparação ao primeiro trimestre deste ano.

Os prêmios de seguros decresceram 2,3% no trimestre e 1,1% no semestre, em função do longo período de desaquecimento da economia e da redução do risco. A frota segurada da companhia aumentou em 200 mil veículos (vs. 2T18) e o recuo nos prêmios de Auto reflete o ajuste técnico nos preços decorrente da redução das frequências de roubo e furto. Os prêmios de Vida e de Saúde apresentaram crescimento de 10% em relação ao 2T18.

O índice combinado reduziu 1,8 p.p. em relação ao 1T19, explicado principalmente pela menor sinistralidade no seguro Auto (de 58,2% no 1T19 para 54,0% no 2T19). A Porto executa iniciativas para melhoria da eficiência para manter as despesas administrativas e operacionais estáveis (-0,2 p.p. vs. 1S18).

Os Negócios Financeiros cresceram 9% e as receitas de Serviços ajustadas expandiram 7% (vs. 2T18). O resultado consolidado desses negócios evoluiu consideravelmente, alcançando um lucro de R$ 76 milhões e ROAE de 26,0% no 2T19.

O resultado financeiro foi 46% superior em relação ao 2T18, impulsionado pelo desempenho das alocações em títulos com juros indexados à inflação, pré-fixados e ativos de renda variável. A rentabilidade trimestral da carteira (ex previdência) foi de 2,4% (158% do CDI) no trimestre e de 4,8% (157% do CDI) no semestre.

Leia mais sobre: Porto Seguro divulga resultados do 1º tri de 2019

O lucro líquido alcançou R$ 381 milhões no 2T19 (+14% vs. 2T18) e R$ 681 milhões no 1S19 (+11% vs. 1S18) enquanto o ROAE alcançou 22,2% no trimestre e 19,7% no semestre. Como referência, a rentabilidade dos negócios da empresa com capital ajustado (sem excesso) e considerando uma rentabilidade de investimentos de 100% do CDI seria de 23,6% no 2T19 e de 23,2% no 1S19.

O maior desafio é a aceleração do crescimento das receitas, especialmente nos seguros Auto e Patrimoniais. Para isso, estão sendo desenvolvidas iniciativas com o objetivo de aprimorar a oferta dos produtos, preservando o foco na diferenciação, inovação e rentabilidade, alinhados às necessidades e preferências dos clientes. A Porto Seguro segue otimista com um crescimento mais robusto da economia, especialmente após a reforma da Previdência.

G.R
Revista Apólice

Deixe uma resposta