A Brasilprev insere no rol de investimentos a compra de ativos alinhados às práticas sustentáveis. Com o objetivo de oferecer diversificação e a melhor relação risco-retorno no longo prazo, para seus mais de 2 milhões de clientes, a empresa entende que a incorporação de aspectos Ambientais, Sociais e de Governança (ASG) nas suas decisões de aquisições contribui para reduzir riscos, ampliar retornos e, paralelamente, proporcionar perenidade para a sociedade, meio ambiente e seus negócios.

Para entender a criação da estratégia (denominada TOP ASG) é preciso retroceder à trajetória da Brasilprev. Em 2017, a empresa tornou-se signatária dos Princípios para os Investimentos Responsáveis (PRI, na sigla em inglês) e da Declaração sobre Títulos Verdes”, que apoia os Títulos Verdes (Green Bonds) como opção para investidores. A companhia também integra a Iniciativa Brasileira de Finanças Verdes (IBFV), coordenada pela Climate Bonds Initiative, na qual é debatido o alinhamento do mercado em relação ao tema.

Diretor financeiro da Brasilprev, Marcelo Wagner, relata sobre o novo fundo. “Essa estratégia, que está integralmente focada em investimentos responsáveis, foi criada após a análise dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), além de documentos e opções de mercado. A iniciativa visa fomentar o desenvolvimento deste mercado em relação à renda variável, crédito privado e fundos estruturados “.

Leia mais sobre: Walter Malieni é o novo diretor-presidente da Brasilprev

O executivo comenta que o primeiro passo foi o lançamento do Top ASG nas estratégias dos fundos Ciclos de Vida. “Foram destinados aproximadamente R$120 milhões para tal. No momento, será feita a alocação em ETF’s no exterior, por conta da maturidade no mercado estrangeiro. Depois, faremos a avaliação de crédito privado no Brasil, pois entendemos ser fundamental para a indústria brasileira de previdência privada que sejam criadas oportunidades de alocação com critérios ASG. Num terceiro momento, investiremos em projetos de infraestrutura, como os relacionados à energia, saneamento e agricultura.”, revela.

Para Wagner, a oferta de ativos ASG ainda é muito incipiente e, por entender que a sustentabilidade será cada vez mais relevante no mercado financeiro, o lançamento do fundo TOP ASG da empresa será, mais uma vez, benchmark – como foi com o “Brasilprev Júnior”, em 1997, com os fundos “Ciclo de Vida”, em 2007, e mais recentemente com o “Brasilprev Fácil”. Também será facilitadora para o desenvolvimento de operações ASG no Brasil.

“Há grandes oportunidades em setores mais desenvolvidos, como os que citei antes. Porém, a Brasilprev também está analisando segmentos menores, a fim de alavancar a estratégia para setores promissores, mas ainda pequenos”, destaca o diretor financeiro.

Thatyanne Gasparotto, head para América Latina da Climate Bonds Initiative, vê com entusiasmo o lançamento do fundo TOP ASG: “Essa é mais uma prova da importância da Brasilprev para a comunidade de investidores no Brasil, trabalhando no desenvolvimento de um mercado de finanças verdes local. É exatamente este o tipo de iniciativa que possibilitará a transformação verde na indústria de capitais. Esperamos que esta estratégia seja referência para outros produtos de investimento em atividade, não apenas no Brasil, mas também no mercado internacional”, finaliza.

G.R
Revista Apólice

Deixe uma resposta