Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil é o país mais deprimido e ansioso da América Latina. O mais recente relatório da OMS, divulgado no fim de 2018, mostra que, nos últimos dez anos, o número de pessoas com depressão no mundo aumentou 18,4%. Esse dado corresponde a 322 milhões de indivíduos, ou 4,4% da população global.

O crescimento do número de casos de depressão, ansiedade e burnout é um desafio para as áreas de Recursos Humanos das corporações. Por mais que as empresas ofereçam ambientes e soluções para tornar o dia a dia do colaborador melhor e mais saudável, a depressão é a doença do século e, com frequência, é preciso lidar com pessoas que receberam este diagnóstico ou o de outra doença mental. Nas empresas, isso gera dúvidas e muitas equipes esbarram na falta de conhecimento especializado e de suporte profissional.

“Mente e corpo estão intimamente ligados e o nosso objetivo é dar a mesma atenção a doenças físicas e mentais, afinal, sabemos que qualquer um desses dois tipos de patologias pode limitar parcial ou completamente o dia a dia e a vida profissional de uma pessoa”, explica o diretor médico da Care Plus, Ricardo Salem Ribeiro.

Nesse cenário tão desafiador e impactante, a Care Plus desenvolveu o Mental Health, um modelo de atendimento pensando exclusivamente no equilíbrio emocional de seus beneficiários. A ideia veio da experiência diária de lidar com a regulação em relação a esse tipo de transtorno. A operadora percebeu que precisava ir além da lista de procedimentos da ANS para dar aos beneficiários do plano um tratamento eficiente.

Empresa lança plano com assistência completa para doenças mentais

Com 103 mil beneficiários, a Care Plus faz parte da companha internacional Bupa e trabalha na perspectiva de crescimento do mercado de produtos e serviços com alto valor agregado. Para isso, não poupou esforços e nem investimentos, visando um crescimento considerável nos próximos anos.

“Nossa estimativa é de R$ 3 milhões de investimento nos próximos dois anos, em softwares e sistemas que entreguem uma melhor experiência para o beneficiário e garantam segurança da informação. Temos perspectiva de crescimento anual de 15% nos próximos anos e 8% na quantidade de clientes e vidas”, destaca o CEO da empresa no Brasil, Luiz Camargo.

Muito mais do que exige a ANS

Buscar um serviço de saúde para cuidados do dia a dia exige do paciente tempo e persistência para se dedicar a ligações, consultas, retornos e exames. Além disso, procuramos profissionais que possam nos acolher, entender, transmitir segurança e, principalmente, cuidar de nossa saúde, seja ela física ou mental. A Care Plus observou que esse cenário pode ser ainda pior para transtornos mentais e foi justamente por esse motivo que desenvolveu, de forma pioneira, um novo conceito para atendimento desses casos.

Ao iniciar o tratamento, outro problema pode surgir. No caso de transtornos mentais, por exemplo, é muito comum a recomendação de sessões com terapeutas, seja psicólogos, fonoaudiólogos, dentre outros.

Em diagnósticos de depressão, os planos de saúde podem oferecem de 18 a 40 sessões conforme CID-10 (Código Internacional de Doenças) e de acordo com as regras da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), órgão regulador das operadoras de saúde. Esse foi um dos pontos mais importantes que a Care Plus identificou ao estruturar o Mental Health, já que compreendeu a necessidade de ampliar o tratamento com quantidade de sessões para suas terapias de acordo com a avaliação de cada paciente para que o resultado seja realmente eficaz.

Segundo Ricardo, a Care Plus compreendeu a necessidade de cuidar de cada paciente com suas particularidades individuais e entendendo que isso é determinante para o reequilíbrio ou controle da saúde de um ser humano.

O médico reforça que a entrega de um tratamento inadequado é um risco para a saúde física do paciente, inclusive. Para se ter ideia, o tratamento de diabetes, quando associado à depressão, acaba sendo muito mais difícil e até 50% mais custoso, porque o paciente não segue as orientações médicas e acaba faltando às consultas.

Plano foi pensado no modelo paciente Centric

E foi com o objetivo de responder à necessidade dos pacientes e guiá-los de forma personalizada, que o programa da Care Plus foi criado com base em três pilares: na sensibilização, treinamentos com especialistas para suporte aos gestores para identificar colaboradores que necessitam de um apoio especial e, principalmente, em como lidar com esses indivíduos que merecem e precisam de um cuidado especial.

O segundo pilar é a pronta escuta ativa. Segundo o diretor médico, esse recurso pode evitar que males ganhem proporções maiores. Para isso, o serviço da Care Plus disponibiliza canal direto com psicólogos 24 horas por dia, todos os dias da semana. A ideia é que qualquer beneficiário do plano possa conversar, se abrir de forma mais reservada e receber orientações adequadas. Tudo terá muito acolhimento, isso será um grande diferencial do programa.

Já no terceiro pilar, o Mental Care Navigator, funciona como uma espécie de concierge que ajuda o paciente a entender que especialidade buscar naquele momento e inclusive agendar as consultas com os melhores médicos do plano, quando preciso: “Nossa equipe estará à disposição para ajudar esses pacientes a qualquer momento do dia.

Queremos transmitir segurança e carinho a quem realmente precisa e para isso contamos com profissionais extremamente gabaritados. Queremos ir além do que está coberto pelo contrato que rege o plano de saúde, pois sabemos que um diagnóstico envolvendo um assunto tão delicado deve ter um olhar diferenciado e individual para que o resultado seja conclusivo”.

G.R
Revista Apólice

Deixe uma resposta