A maior movimentação no mercado global de fusões e aquisições ampliou a demanda por seguros de riscos transacionais. Segundo o mais recente Transactional Risk Insurance Report, em 2018 a corretora Marsh fez a colocação de 1089 apólices de seguro de risco transacional no mercado internacional e o volume é 31% maior se comparado a 2017. De acordo com o relatório, os limites agregados colocados (US$ 36,5 bilhões) também cresceram 35% no período, impulsionados pelo tamanho e número das transações em grandes e médias empresas.

O levantamento da corretora também traz indicadores da maior demanda por esta modalidade na América Latina. Segundo Daniel Gettings, líder da prática de Private Equity and M&A da companhia na América Latina, a procura cresceu significativamente devido a busca por ativos em países como Brasil, Colômbia, México, Argentina, e também Chile, Peru e Costa Rica. Com este movimento, mais de dez seguradoras demonstraram interesse em ofertar o seguro de risco transacional na região, considerando a atual conjuntura econômica dos respectivos países.

“A retomada do mercado de M&A é um dos principais motivos pelo aumento da procura por este tipo de proteção por parte dos investidores. O seguro de risco transacional está agora bem estabelecido no mercado de risk M&A como uma ferramenta importante que pode ajudar a mitigar o risco do negócio, evidenciado por sua ampla adoção entre empresas de private equity e investidores estratégicos”, afirma. “O seguro de riscos transacionais está sendo comercializado no Brasil já há cinco anos e a apólice é elaborada conforme as necessidades da operação e se baseia na cláusula de declarações e garantias do contrato de compra e venda”, complementa.

Leia mais: Marsh & McLennan Companies celebra Mês do Orgulho

América do Norte

Em 2018, o limite total de seguro de riscos transacionais colocados pela Marsh nos Estados Unidos e Canadá cresceu 53% em 2017, chegando em US$16.56 bilhões. Reduções de preços, transações maiores e maior utilização por compradores estratégicos/corporativos têm estimulado um aumento nos limites adquiridos e o número de transações cobertas.

América Latina

A empresa reportou aumento do interesse dos investidores no seguro de risco transacional, mesmo que as taxas médias de prêmio sejam significativamente mais elevadas do que em outras regiões. A procura cresceu significativamente devido a busca por ativos em países como Brasil, Colômbia, México, Argentina, e também Chile, Peru e Costa Rica.

Europa, Oriente Médio e África

A companhia fez 479 transações de colocação em seguro de risco transacional em 2018, um aumento de 31%. A empresa relatou um aumento de 26% no total de limites de seguro de risco transacional colocados no EMEA (Middle East and Africa) em 2018 de U$15.93 bilhões. As taxas médias de prêmios aumentaram apesar de um aumento significativo da nova capacidade.

Ásia

No ano passado foi notável o crescimento no uso do seguro de risco transacional na Coréia do Sul e na China, especialmente o seguro de representações e garantias (R&W) e o seguro de indenização fiscal para transações imobiliárias.

Pacífico

Em 2018 houve um aumento significativo nos limites colocados ao longo do ano anterior, refletindo um aumento de 36.4% em negócios e um aumento no número de grandes transações utilizando o seguro.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta